0

Fortunati faz 1ª reunião e deve manter equipes da Copa e metrô

22 out 2012
10h46
atualizado às 10h53
  • separator

Eleito no primeiro turno com 517.969 votos (65,22% do total), o prefeito de Porto Alegre (RS), José Fortunati (PDT), começa nesta segunda-feira a montar sua equipe de governo e secretários para os próximos quatro anos. O pedetista, com Sebastião Melo (PMDB) como vice-prefeito, terá de acomodar as nove legendas da sua coligação (PDT, PMDB, PTB, PP, PPS, DEM, PMN, PTN e PRB), definir 32 secretarias e tocar importantes obras. Conforme a assessoria do prefeito, as equipes que trabalham nas obras da Copa do Mundo e do metrô devem ser mantidas.

O prefeito de Porto Alegre (RS) terá de organizar os 9 partidos de sua base e definir 32 secretarias
O prefeito de Porto Alegre (RS) terá de organizar os 9 partidos de sua base e definir 32 secretarias
Foto: Kais Ismail / Agência Freelancer / Especial para Terra

Consulte os candidatos a prefeito em todo o País
Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais

Na reunião desta tarde, que acontece a partir das 14h no Escritório Político de Fortunati, os partidos devem ser ouvidos, mas ainda não há definições de nomes. Com a vitória dele, o grupo liderado pelo PDT e pelo PMDB garante-se até 2016 no poder. Os partidos derrotaram a hegemonia do PT, que comandou a capital por 16 anos consecutivos, em 2004, quando José Fogaça, então no PPS, foi eleito prefeito.

Em 2008, já no PMDB, ele foi reeleito, mas renunciou ao cargo em março de 2010 para concorrer a governador do Estado. O vice-prefeito, Fortunati, assumiu então o comando da cidade. O pedetista já havia sido vice-prefeito de Porto Alegre de 1997 a 2000, quando ainda era filiado ao PT. Ele deixou a sigla em 2002 para ingressar no PDT.

Ainda no PT, foi deputado estadual, deputado federal e o vereador mais votado da história da capital - com 40 mil votos. Já no PDT, foi secretário estadual da Educação e municipal do Planejamento.

Veja também:

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) defende representatividade mínima de 30% de mulheres na direção dos partidos
Fonte: Terra
publicidade