2 eventos ao vivo

Em dia útil, brasileiros vão às urnas em Tel Aviv

3 out 2010
05h24
atualizado às 10h56
Gabriel Toueg
Direto de Tel Aviv

Pouco mais de 25 pessoas votaram durante a primeira hora na Embaixada do Brasil em Tel Aviv, entre 8h e 9h locais (3h e 4h em Brasília) deste domingo. Não houve sequer fila na única seção eleitoral disponível no país. Embora o número oficial de brasileiros em Israel seja de cerca de 15 mil, de acordo com o Itamaraty, apenas 282 eleitores transferiram o título e podem votar nas eleições 2010. O dado foi divulgado pela Embaixada.

Ana Maria Piazera, gaúcha que vive em Raanana, perto de Tel Aviv, vota pela primeira vez longe da cidade natal, Santa Cruz do Sul
Ana Maria Piazera, gaúcha que vive em Raanana, perto de Tel Aviv, vota pela primeira vez longe da cidade natal, Santa Cruz do Sul
Foto: Gabriel Toueg / Especial para Terra

Em Israel o domingo é dia útil comum, já que a semana de trabalho começa hoje e termina na quinta-feira. Por conta disso, a maioria dos eleitores precisará pedir licença dos locais de trabalho durante o dia para poder escolher seu candidato a presidente. A Embaixada aceitará a entrada de eleitores até 17h locais (12h em Brasília), e emite atestado para os eleitores que precisarem.

A alternativa para quem não pode se ausentar do trabalho foi votar logo cedo, antes do início do horário comercial - em geral por volta das 9h. Ana Maria Piazera, gaúcha que vive no país há quase três anos, decidiu votar logo cedo. "Decidi transferir meu título porque este é um direito que eu gosto de exercer. Sou de uma geração que viveu sob ditadura militar, votar para mim não é uma obrigação", disse ao Terra.

Esta é a primeira vez que Ana Maria vota longe de sua cidade natal, Santa Cruz do Sul, a 140 Km de Porto Alegre. Atualmente ela mora em Raanana, 15 Km ao norte de Tel Aviv. "É apenas um pequeno desvio de rota", diz, ao mencionar a ida à Embaixada para votar. "Só tive que mudar um pouco o ônibus pra chegar". Ela trabalha em uma empresa de tecnologia em Rehovot, que fica 22 Km ao sul da cidade. Ana Maria não é judia e conta que veio para Israel por conta do marido, um judeu de Nova York que vive no país há 40 anos.

Ao falar de escolhas para presidente, ela conta que sua maior preocupação é com os deputados e senadores. "Mas nesses eu não posso votar, o que é uma pena", afirma. Na opinião de Ana Maria, o número de eleitores em Israel é baixo "talvez porque a maioria dos brasileiros aqui se sente mais israelense". E completa, mostrando o título e o passaporte: "mas eu não". Ela ainda acha que o pensamento corrente é o "eu não vivo no Brasil, então para que me envolver com eleições?".

A designer Rosane Sechterr, de 28 anos, vive há 2,5 em Petach Tikva, a 11 Km de Tel Aviv. Ela conta que esta é a primeira vez que vota fora do Rio de Janeiro, onde cresceu. "Acho importante cumprir meu papel ao votar", afirma. Rosane diz ainda que tem família no Brasil e "pode ser que um dia eu volte". Ela trabalha na região do aeroporto Ben Gurion e precisou avisar o chefe sobre o atraso. "Mas eles (a Embaixada) dão atestado, então não tive problema", explica.

A publicitária Carla Jobim, também carioca, vive em Israel há quase 7 anos, mas votou hoje pela primeira vez em Tel Aviv. "Mudei o título no ano passado, quando vim à Embaixada justificar minha ausência em votações anteriores. Se eu soubesse que poderia votar aqui, teria votado em 2006", diz. Carla é casada com um israelense e tem uma filha de sete meses. "É importante votar, ainda tenho vínculos com o Brasil, minha família vive lá e eu viajo anualmente", diz. "Ainda me sinto brasileira e patriota", afirma.

A funcionária do setor cultural da Embaixada, Katia Pines, trabalha durante o dia como secretária da zona eleitoral. Ela diz que a maioria dos brasileiros não transfere o título por falta de interesse ou por não saber que pode votar na Embaixada. "Há brasileiros que vivem em Israel há 30, 40 anos, e já estão fora da realidade do país", diz. Ela conta ainda que muitos brasileiros vão à Embaixada com o título original, e descobrem no local que não podem votar.

Fora do ar
Principal fonte de informações para os brasileiros que vivem em Tel Aviv e em outras cidades israelenses, o site da Embaixada do Brasil está fora do ar desde a tarde do sábado. Não há informação sobre a origem do problema, embora ele seja conhecido na Embaixada. O site chegou a publicar informações sobre horários das votações e a relação dos eleitores aptos a votar, mas saiu do ar no sábado.

Fonte: Especial para Terra
publicidade