PUBLICIDADE

Centrais começarão pressão por revisão do cálculo do mínimo

3 nov 2010 16h14
Publicidade
Laryssa Borges
Direto de Brasília

Com a sinalização da presidente eleita, Dilma Rousseff, de que poderá haver uma compensação para que os trabalhadores que ganham o salário mínimo não sejam apenados pelo fato de a economia brasileira ter crescido apenas 0,2% em 2009, as centrais sindicais anunciaram para esta quinta-feira (4) o início das pressões para uma revisão da atual fórmula de ampliação do benefício.

Pela política em vigor, os reajustes do mínimo levam em conta a inflação do ano anterior acrescida do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos antes.

"É importante destacar que o Brasil, após as incertezas econômicas de 2009, que resultaram num PIB negativo, teve uma forte recuperação em 2010. Desta forma, a Força Sindical pleiteia uma forma de reavaliação levando-se em conta o cenário de crescimento previsto para o ano de 2010, com expectativa de um PIB de 7%. Isto deve ser somado à inflação do período. Destacamos que um bom reajuste terá um impacto positivo na renda de 45 milhões de trabalhadores e aposentados que recebem o piso nacional", defendeu em nota nesta quarta (3) o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva.

A atual proposta de reajuste do salário mínimo no orçamento da União prevê o valor arredondado de R$ 540.

Na rodada de negociações pela ampliação do patamar do mínimo o primeiro a receber os sindicalistas será o relator do orçamento, senador Gim Argello (PTB-DF) nesta quinta-feira às 10h.

Jornalistas acompanharam entrevista coletiva da presidente eleita Dilma Rousseff
Jornalistas acompanharam entrevista coletiva da presidente eleita Dilma Rousseff
Foto: Ricardo Stucker / Divulgação
Fonte: Terra
Publicidade