PUBLICIDADE

Apesar de diferença pequena, Dilma perde em Belo Horizonte

1 nov 2010 15h25
| atualizado às 16h16
Publicidade
Juliana Prado
Direto de Belo Horizonte

O resultado das eleições presidenciais no segundo turno em Belo Horizonte confirmou um fato já registrado na primeira etapa da disputa: o voto da capital mineira representou, até o fim, uma incógnita para candidatos e coordenações de campanha.

A terra natal da presidenciável petista Dilma Rousseff deu a vitória neste domingo (31) a seu adversário José Serra (PSDB). A diferença foi muito pequena, menos de 1%, mas chama atenção justamente por se tratar da cidade onde Dilma nasceu, e uma das quais ela mais esteve em campanha no primeiro e segundo turnos.

O voto na capital do Estado também chamou atenção por suas especificidades na primeira etapa da corrida eleitoral. Belo Horizonte foi uma das poucas cidades do Brasil que deu vitória à candidata do PV Marina Silva. A senadora verde cravou o primeiro lugar nas urnas, ficando com 560.037 votos, contra 434.157 de Dilma e 389.232 de Serra.

Iniciado o segundo turno, as campanhas dos dois candidatos remanescentes investiram na capital para tentar atrair os votos da terceira colocada na disputa geral. E os números finais levaram à nova surpresa: Serra ficou com exatos 651.989 votos contra 662.232 direcionados para a candidata petista.

Os laços mineiros e a origem na cidade, aliás, foram uma das teclas em que Dilma mais bateu durante suas passagens por BH e por outras cidades do Estado durante a campanha. Apesar dos esforços, a repentina mineiridade da ex-militante política que se fixou em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, não funcionou a contento junto ao eleitor da capital.

Assim que foi conhecido o resultado final da disputa em todo o Brasil, um dos coordenadores de campanha de Dilma no Estado, o ex-ministro do Turismo Walfrido dos Mares Guia, tentou minimizar os números da capital. Ele ainda chegou a dizer que houve uma "virada espetacular" da petista por ela ter conseguido mais cerca de 217 mil votos em relação ao primeiro turno. Na terra de Dilma, no entanto, Serra foi quem herdou um número maior de votos em relação ao primeiro turno: cerca de 270 mil.

'Iludidos por tucanos'
Ao contrário dos colegas de coligação, o candidato derrotado ao governo de Minas, Hélio Costa (PMDB), preferiu não pôr panos quentes no resultado da disputa em Belo Horizonte. Em seu Twitter, ele afirmou que "BH, iludida pelos tucanos, deixou de homenagear sua filha mais ilustre". Mesmo assim, ponderou: "A diferença foi mínima. Valeu".

Em sua declaração provocativa, Costa faz alusão ao fato de o ex-governador de Minas, Aécio Neves, ter feito campanha para Serra, o que pode ter ajudado na transferência de votos na capital. Trata-se de um dos muitos ingredientes para justificar a migração dos votos de Marina para o concorrente tucano na segunda fase da disputa.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade