PUBLICIDADE

Anastasia parabeniza Dilma e garante "relação administrativa"

1 nov 2010 10h55
| atualizado às 11h14
Publicidade

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, concedeu uma entrevista ao site do PSDB de Minas Gerais, trinta minutos depois da divulgação do resultado oficial das eleições, neste domingo (31), quando foi estabelecida a vitória da petista Dilma Rousseff. Anastasia parabenizou a presidente eleita, comentou a derrota de Serra e garantiu que Minas Gerais é um reflexo do Brasil. "Nós somos exatamente esse reflexo, com a vitória de Serra no sul do Estado, com a vitória maior da Dilma na região norte do Estado, na região do Jequitinhonha. Então, acaba sendo um reflexo daquilo que ocorre em relação à eleição, em relação a Minas Gerais que é um Estado que se apresenta como uma espécie de um exemplo muito claro do que é o Brasil", afirmou o tucano.

O governador reeleito disse que manterá uma "relação administrativa" com Dilma, representando o povo mineiro e fazendo suas reivindicações. Anastasia acredita que a vitória da petista, em esfera federal, se deu pelo desejo de "continuidade" da população, apesar do que considerou um bom desempenho de José Serra nas urnas - o candidato tucano à presidência teve 43,95% dos votos. Mas que a alta popularidade de Lula não é suficiente em escala estadual. "O governo Lula, com grande aprovação popular, reconhecimento de mais de 80%, inclusive em Minas Gerais, não teve no seu candidato ao governo do Estado grande desempenho. Ao contrário, teve 34% dos votos. Então, não se transfere essa questão entre as esferas federal e estadual. Isso é um dado que deve ser sempre analisado pelos especialistas", disse.

Anastasia afirmou que, apesar de assumir uma relação de trabalho com Dilma - como aconteceu no governo Lula -, o PSDB é partido de "oposição", por isso, também fará oposição. Mesmo com os tucanos governando dois importantes Estados brasileiros - São Paulo (com Geraldo Alckmin) e Minas Gerais -, Anastasia não quis falar sobre um futuro candidato à presidência do partido vindo da união dos dois Estados. "Não é o momento de discutir isso, até porque, como eu disse, não tem nem 30 minutos que foi oficializado pelo Tribunal Superior Eleitoral a vitória da candidata Dilma Rousseff. Isso vai muito tempo pela frente para discutir e, naturalmente, muitas especulações surgirão".

Fonte: Terra
Publicidade