PUBLICIDADE

AL: "Lula virou líder de facção", diz Aécio Neves

28 set 2012 12h40
| atualizado às 12h49
Publicidade

Odilon Rios
Direto do Maceió

O senador Aécio Neves (PSDB/MG) disse que os discursos do ex-presidente Lula- nos palanques, ao lado dos candidatos a prefeito - transformaram o ex-presidente em "líder de uma facção" e o "lulismo" é algo "que não existe mais". As declarações foram dadas em Maceió.

Conheça os candidatos a vereador e prefeito de todo o País
Acompanhe as pesquisas eleitorais
Veja o cenário eleitoral nas capitais
Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais

"O Lula tem feito ataques muito violentos. Tenho uma relação pessoal com o Lula, sempre tive. Mas, o presidente Lula tem exagerado. Está abdicando da condição de ser ex-presidente de todos os brasileiros para ser líder de facção. Não é bom para ele, para a sua história, a forma como ele tem se colocado, agressiva, nos palanques eleitorais, não coaduna com a figura de um ex-presidente. Os efeitos não têm sido positivos", disse o tucano.

Com discurso de presidenciável, Aécio Neves disse que o PT "precisa fazer um reecontro com sua história e seus valores". E a proposta do PSDB é um "projeto alternativo, que possibilite ao PT voltar a fazer estágio na oposição".

"Acho que o exercício de poder não fez bem ao PT, porque ele abandonou valores, projetos, e na verdade o PT abandonou projeto de país para exercer exclusivamente um projeto de poder", disse.

E atacou o candidato a prefeito paulistano, Fernando Haddad (PT). Para ele, nem o "tsunami financeiro" investido na campanha tem sido suficiente para enfrentar José Serra (PSDB).

"Não basta ter apenas padrinho político. Logicamente ele Haddad passa por um momento difícil e isso o leva a declarações pouco adequadas a um ex-ministro da Educação e tão desatinadas", disse.

"O que estamos percebendo é que o lulismo da forma quase messiânica, que apontava dedo em determinada direção e tudo seguia nessa direção, não existe mais. Claro que terá sempre avaliações positivas, regiões onde ele terá uma influência, mas da forma como existia no passado não existe mais. As pessoas estão buscando escolher, elas próprias, seus candidatos, quem tem a melhor história", afirmou o tucano.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade