12 eventos ao vivo

Eduardo Alves quer votar hoje MPs que estão próximas de perder validade

7 mai 2013
14h30
atualizado às 14h31
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse que vai pautar nesta terça-feira para votação no plenário da Casa apenas medidas provisórias que estão próximas de perder a validade. Entre essas matérias, está a MP 595, que estabelece novo marco regulatório para a concessão de terminais portuários à iniciativa privada.

A MP - que, se não for votada na Câmara e no Senado até o dia 16 de maio, perde a eficácia - é uma das prioridades do governo. Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff disse que a matéria é "crucial para a competitividade do País".

"Temos quatro medidas provisórias que vencem quarta e quinta-feira da próxima semana. Então, vamos votar hoje em sessão ordinária e extraordinária as MPs, que é o nosso dever e a nossa obrigação fazer", disse Henrique Alves.

A MP dos Portos foi aprovada na comissão especial no final de abril e enviada para apreciação. O relatório do senador Eduardo Braga (PMDB-AM) foi aprovado com mais de 150 alterações no texto enviado pelo Executivo. Entre as mudanças está a previsão para que os contratos assinados antes de 1993, quando da publicação da Lei dos Portos, sejam prorrogados pelo prazo de dez anos, uma única vez, e não por cinco anos como previa o parecer original do relator.

Outra MP que está prestes a perder a validade é a 590, que amplia a idade limite de crianças e adolescentes que recebem o Bolsa Família para estarem aptos a receber o benefício do Programa para Superação da Extrema Pobreza. Para não perder a validade, a MP precisa ser votada nas duas Casas até a próxima quinta-feira.

A MP 593, que que institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), perderá o efeito se não for aprovada na Câmara e no Senado até o dia 15 deste mês.

Edição: Tereza Barbosa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade