0

Caso Cachoeira: Perillo festeja arquivamento de investigação

O governador disse ter confiança de que a investigação que ainda ocorre no Superior Tribunal de Justiça também terá o mesmo desfecho

2 dez 2014
22h31
atualizado às 22h33
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Marconi Perilli disse que não tem dúvidas de que a CPI instalada no Congresso "foi um ato de vendeta política praticado pelo ex-presidente da República", referindo-se a Lula</p>
Marconi Perilli disse que não tem dúvidas de que a CPI instalada no Congresso "foi um ato de vendeta política praticado pelo ex-presidente da República", referindo-se a Lula
Foto: Eduardo Ferreira/Governo de Goiás / Divulgação

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) falou nesta terça-feira sobre a decisão do Ministério Público de Goiás que arquivou investigação contra ele sobre suposto envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira, investigado, juntamente com seu grupo criminoso, nas operações Vegas e Monte Carlo.

Segundo nota da assessoria de comunicação do órgão, o Conselho Superior da entidade, em reunião na segunda-feira, homologou o arquivamento do procedimento preparatório de investigação de possível prática de ato de improbidade administrativa por parte do governador, instaurado pela Procuradoria-Geral de Justiça, por ausência de indícios que o comprovassem. O processo corre em segredo de Justiça.

Em coletiva no Palácio das Esmeraldas, o governador disse que a decisão fará cessar as especulações iniciadas em 2012 na Operação Monte Carlo, e que foram utilizadas por seus adversários políticos inclusive na campanha deste ano. Marconi disse que, apesar de feliz com a notícia,  não ficou surpreso com a decisão. “Já esperava por isso, li várias vezes todos os processos, não tinha dúvida de que, mais dia, menos dia, esse assunto seria encerrado na Justiça”, disse Perillo, ressaltando que sempre manteve a consciência tranquila sobre o caso.

“Estou certo que a população de Goiás tem um esclarecimento definitivo de parte do MP estadual. Enquanto em outros casos o assunto foi remetido para investigação no Tribunal de Justiça, no nosso caso específico, o MP, através de seu Conselho Superior e seu procurador-geral de Justiça tomou a decisão unânime pelo arquivamento”, detalhou.

Marconi recordou os prejuízos que capitalizou com o caso, já que, na época das acusações estava como uma boa aprovação no governo e o caso trouxe uma queda grande em sua popularidade. Perillo disse que tem confiança de que a investigação que ainda ocorre no Superior Tribunal de Justiça também terá o mesmo desfecho, já que há tendência de que a decisão do Ministério Público possa ter alguma repercussão no STJ.

“Agora nos resta apenas aguardar a investigação no STJ para que este assunto seja definitivamente encerrado, arquivado, enfim, que a população possa ter a segurança, a certeza  de que o governador no estado de Goiás, em momento algum, esteve envolvido em qualquer uma daquelas acusações acerca de qualquer relacionamento com o grupo que foi investigado naquelas operações”, disse o tucano.

O governador Marconi Perillo disse acreditar que as acusações que sofreu foram exageradas  e que a CPI no Congresso que investigou o caso teve motivação política. “Não há nenhuma dúvida que a CPI instalada no Congresso foi um ato de vendeta política praticado pelo ex-presidente da República. Todo mundo sabe disso”, afirmou, se referindo a Luiz Inácio Lula da Silva.

“Eu nunca sofri um ato tão grande de perseguição como neste episódio. Muitos setores de imprensa  foram obrigados a divulgar porque os vazamentos pelas metades, as informações, eram enormes”, disse o tucano. “O que importa é que eu tive força, fé, coragem, determinação ,e discernimento, para poder me defender, contra-argumentar ”, ainda acrescentou.

O tucano costuma dizer que Lula nunca o perdoou por ter avisado o petista em 2005 sobre o escândalo de pagamento de propina a parlamentares da sua base, que marcou o governo dele, e que seria apelidado depois de “mensalão”. 

Porém, Perillo lembrou a recente vitória nas urnas para mais um mandato de governador (o quarto dele)  já havia indicado superação das acusações perante a população goiana. “Hoje chego aqui depois de  uma vitória, que, na minha opinião, já foi a resposta da população a todo este episódio, depois de um grande trabalho nosso a frente do governo, que não deixou de ser outra resposta. E agora uma resposta que, na minha opinião, é absolutamente contundente: se há uma instituição no Brasil que é respeitada, por seus atos, por suas decisões, é o Ministério Público”, ainda afirmou o governador, se dizendo feliz, porque “a Justiça começa a ser feita”.

Marconi Perillo disse também que não pensa em pedir indenizações contra possíveis ofensas a sua reputação relacionadas a Operação Monte Carlo. Mas afirmou que sua equipe de advogados vão avaliar os casos onde caberá reparações.

Veja também:

Bolsonaro já admitiu que Wassef era seu advogado
Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade