0

Brasileiro casado com jornalista do caso Snowden é retido em Londres

19 ago 2013
07h10

O brasileiro David Miranda, companheiro do jornalista Glenn Greenwald, que publicou os vazamentos do ex-analista de inteligência americano Edward Snowden, ficou detido durante quase nove horas no aeroporto londrino de Heathrow, com base na lei antiterrorista britânica.

A medida foi denunciada pela Anistia Internacional, e o governo brasileiro divulgou uma nota de protesto.

A polícia britânica confirmou que David Miranda, casado com o jornalista Glenn Greenwald do "Guardian", foi retido no aeroporto, onde fazia escala em sua volta ao Rio, procedente de Berlim.

"Um homem de 28 anos foi retido no aeroporto de Heathrow, em virtude do artigo 7 da lei antiterrorista de 2000", declarou um porta-voz da polícia, acrescentando que "ele não foi preso, foi solto depois".

O governo brasileiro manifestou "grave preocupação" com a retenção e falta de comunicação a que foi submetido Miranda.

As autoridades brasileiras consideraram "injustificável" envolver um indivíduo contra o qual não pesam acusações que possam legitimar o uso da legislação antiterrorista.

"O governo brasileiro expressa sua profunda preocupação com o episódio que aconteceu hoje (domingo), em Londres, onde o cidadão foi retido e mantido sem contatos no aeroporto de Heathrow", de acordo com a nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores.

A embaixada e o consulado do Brasil contactaram as autoridades britânicas e David Miranda foi liberado, segundo um porta-voz do ministério.

David Miranda, de 28 anos, embarcaria em um voo com destino ao Rio de Janeiro, onde vive com Greenwald, quando foi retido e questionado por autoridades britânicas, segundo o jornal The Guardian.

Greenwald analisou e publicou os documentos fornecidos pelo ex-analista de inteligência Edward Snowden, que revelou detalhes dos programas de vigilância eletrônica realizados pela Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês).

"É altamente improvável que David Michael Miranda, um cidadão brasileiro em trânsito por Londres, tenha sido parado por acaso, levando-se em conta o papel que seu marido teve, ao revelar a verdade a respeito da natureza ilegal do programa de vigilância da NSA", declarou o representante da Anistia Internacional Widney Brown.

"A retenção de David foi ilegal e indesculpável", acrescentou, avaliando que o brasileiro foi "claramente vítima de táticas de represália".

Segundo o "Guardian", a polícia apreendeu equipamentos eletrônicos de David Miranda, incluindo seu telefone celular, pen-drive, DVD e console de jogo.

Um porta-voz do jornal disse que o "Guardian" pediu esclarecimentos às autoridades britânicas. O veículo disse estar "consternado que o parceiro de um jornalista do 'Guardian', que escrevia sobre os serviços de segurança, tenha sido retido por quase nove horas, quando estava em trânsito no aeroporto de Heathrow".

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade