0

Após campanha conturbada, Camilo Capiberibe toma posse no Amapá

1 jan 2011
02h59
atualizado às 21h00
Mario Tomaz
Direto de Macapá

Debaixo de muita chuva e a zero hora de 1º de janeiro de 2011 no horário local (1h em Brasília), o mais jovem governador do Brasil, Camilo Capiberibe (PSB), 38 anos, tomou posse na Assembleia Legislativa do Amapá. Na oportunidade, estiveram presentes, além de familiares, deputados estaduais e federais eleitos e a vice-governadora, Doralice Nascimento (PT).

Ao final da cerimônia, Capiberibe se dirigiu ao Palácio do Setentrião e recebeu das mãos do governador Pedro Paulo Dias de Carvalho (PP) a faixa de novo gestor do Estado.

Camilo Capiberibe (PSB) é filho de João Capiberibe (PSB), ex-senador e ex-governador do estado do Amapá entre os anos de 1995 e 2002, e da deputada Janete Capiberibe (PSB). É bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUCCAMP, e mestrando em Ciências Políticas pela Universidade de Montreal, no Canadá. Foi presidente do centro acadêmico da PUC-Campinas. Filiado ao PSB há dez anos, foi secretário de Organização da Executiva Estadual do partido e atualmente é presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado do Amapá.

O deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB) foi eleito governador do Amapá no segundo turno, com 170.277 votos (53,77% dos votos válidos). O principal adversário, Lucas Barreto (PTB), ficou em segundo lugar, com 146.383 votos (46,23%). A campanha foi marcada pela prisão do então governador Pedro Paulo Dias (PP), que tentava a reeleição.

A chapa de Capiberibe, que teve a petista Dora Nascimento como vice, enfrentou uma campanha conturbada para o governo do Amapá. Dias foi preso por nove dias em setembro, acusado de envolvimento em esquema de desvio de recursos públicos e fraudes em licitações. Quando reassumiu o cargo, Dias chegou a declarar que voltaria a disputar a reeleição, mas não conseguiu passar para o segundo turno. No primeiro turno, Lucas Barreto obteve 28,93% dos votos, enquanto Capiberibe ficou com 28,68%.

Durante toda a disputa eleitoral, Barreto contou com o apoio do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e teve seu nome vinculado ao escândalo dos atos secretos do Senado. Já Capiberibe enfrentou as acusações contra seu pai, João Capiberibe, considerado inelegível pela Lei da Ficha Limpa, mas conseguiu ser eleito governador pela primeira vez.

Casado e pai de dois filhos pequenos, Camilo nasceu em uma família com grande influência política no Estado: ele é filho de João Capiberibe (PSB), ex-senador e ex- governador do Estado entre 1995 e 2002, e da ex-deputada federal Janete Capiberibe (PSB). O casal foi eleito no pleito deste ano, respectivamente, ao Senado e à Câmara dos Deputados, mas tiveram as candidaturas barradas com base na Lei da Ficha Limpa.

Bacharel em Direito e mestrando em Ciências Políticas, Camilo Capiberibe, 38 anos, é filiado há dez anos ao PSB e, atualmente, preside a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá. Ele disputou a prefeitura de Macapá em 2008, e chegou a ir ao segundo turno, onde obteve 33,07% dos votos válidos, mas não conseguiu ser eleito.

Camilo Capiberibe cumprimenta Pedro Paulo Dias de Carvalho depois de receber a faixa de governador
Camilo Capiberibe cumprimenta Pedro Paulo Dias de Carvalho depois de receber a faixa de governador
Foto: Mario Tomaz de Lima Conceição / Especial para Terra
Fonte: Especial para Terra

compartilhe

publicidade
publicidade