0

SP: universitário é morto durante tentativa de assalto na zona leste

10 abr 2013
05h00
atualizado em 5/12/2013 às 17h11
  • separator
  • 0
  • comentários

Um universitário foi morto em frente ao prédio onde morava durante uma tentativa de assalto na noite dessa terça-feira na zona leste de São Paulo. Victor Hugo Deppman, 19 anos, foi abordado por um criminoso na rua Herval, no Belém e, sem reagir, entregou o celular ao suspeito. O estudante, no entanto, demorou para entregar a mochila e foi então baleado pelo assaltante.

Mortes por R$ 7, videogame e comemoração de futebol: veja crimes banais

O único tirou acertou a cabeça do universitário. Segundo informações da Polícia Militar, o jovem chegou a ser encaminhado ao pronto-socorro do Hospital Santa Virgínia, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.  Victor era estudante de Rádio e TV e fazia estágio na RedeTV!, em Osasco, na Grande São Paulo.

O caso foi registrado como latrocínio (roubo seguido de morte) na Central de Flagrantes do 31º DP, na Vila Carrão. Segundo a Polícia Civil, a ocorrência será encaminhada ainda hoje para o 81º DP, do Belém, que deverá iniciar as investigações. Segundo a delegada plantonista do DP da Vila Carrão, as imagens da câmera de segurança do edifício já foram solicitadas e devem ajudar no caso. O autor do crime ainda não foi encontrado.

Amiga não acredita em reação
Ao saber da notícia da morte do amigo, a assistente de produção Beatriz Barnes, 24 anos, que estudou na mesma faculdade que Victor e era colega de trabalho do jovem, disse ter ficado chocada. “É difícil encontrar palavras para dizer como eu me senti ou como estou me sentindo até agora. É revoltante e desesperador ao mesmo tempo”, falou a jovem.  

Segundo ela, o amigo era uma pessoa tranquila e que não reagiria a um assalto. “Eu acho muito estranho ele ter reagido de alguma forma que pudesse ameaçar o assaltante. É difícil ter acontecido isso, em minha opinião”, disse.

Para ela, o crime aconteceu por falta de controle emocional do criminoso. “Esse assaltante devia estar extremamente drogado. Esses assaltantes não podem ser chamados de seres humanos, são monstros sem igual”, desabafou a jovem, que afirmou que vai carregar na memória os momentos alegres ao lado do amigo: “vou lembrar ele sempre sorrindo e de bom humor. O sorriso era a marca registrada dele”.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade