Polícia

publicidade
06 de novembro de 2009 • 15h14 • atualizado às 18h59

SP: funcionários teriam facilitado assalto a carros-fortes

O carro-forte ficou destruído após bater na carreta durante o assalto
Foto: Renato Silva/Gazeta de Limeira / Divulgação
Maurício Vargas
Direto de Americana

A quadrilha que roubou R$ 6 milhões de dois carros-fortes na noite desta quinta-feira no km 161 da rodovia Anhanguera, que liga São Paulo ao interior do Estado, em Araras, pode ter recebido ajuda de dentro da transportadora de valores. A informação foi dada pelo responsável pelas investigações, delegado de polícia de Araras, Sydney Sully Urbach, durante entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira.

No assalto aos carros-forte da empresa Prosegur, realizado por oito homens armados com fuzis e metralhadoras, segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), um motorista que trafegava pela via foi baleado e morreu. Ninguém foi preso.

"A empresa admitiu que existem fortes indícios de que o crime teria contado com informações privilegiadas, que teriam vazado para ajudar os assaltantes", afirmou Urbach. Segundo o delegado, a quadrilha sabia até os nomes dos seguranças.

Em nota, a Prosegur informou que os carros-fortes foram abordados por dez bandidos com armamentos pesados, que dispararam diversos tiros. Segundo a empresa, um dos funcionários ficou ferido com estilhaços de um projétil, mas passa bem. Segundo comunicado oficial da polícia, a empresa informou que o dinheiro foi coletado fora dos padrões de segurança e que o episódio seria investigado internamente.

A suspeita de vazamento de informações está ligada a outro assalto semelhante ocorrido no dia 13 de outubro, na Rodovia Benevenuto Moretto (SP-95), na cidade de Amparo, também no interior de São Paulo. Na ocasião, criminosos interceptaram o carro-forte utilizando armamento pesado e levaram cerca de R$ 1,3 milhão em dinheiro. A polícia investiga se o mesmo grupo é responsável pelos dois casos.

Há um ano, fato similar aconteceu em Varginha (MG). Cinco pessoas foram presas após roubarem R$ 1,2 milhão de um carro-forte da Prosegur e confirmaram que contaram com a ajuda de um funcionário e um ex-funcionário da empresa na ação.

"As únicas diferenças entre as ações são o número de criminosos. Em Amparo seriam quatro e usaram capuzes. A forma como tudo aconteceu nos permite dizer que eles agiram com toda a tranquilidade, estavam à vontade para empreender a ação", afirmou Urbach.

Leia a nota da Prosegur:

Ontem, dia 5, por volta das 18h30, no km 161 da rodovia Anhanguera, dois carros-fortes da Prosegur, que trafegavam no sentido interior-capital, foram abordados por cerca de 10 bandidos que utilizavam armamentos pesados que dispararam diversos tiros contra os carros-fortes.

Um dos funcionários da empresa ficou ferido com os estilhaços de um projétil, mas já foi liberado e passa bem. O caso está sendo investido pela Polícia Civil de São Paulo.

Especial para Terra