publicidade
14 de novembro de 2012 • 01h17 • atualizado às 12h14

SC registra 16 ataques e 21 detidos em segunda noite de violência

Ônibus foram incendiados em Florianópolis na noite desta terça-feira. O Corpo de Bombeiros foi acionado e controlou o fogo
Foto: Eduardo Valente / Futura Press
 
Fabricio Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

Pela segunda noite consecutiva, uma série de ataques foram registrados em cinco cidades de Santa Catarina. Nas últimas 48 horas foram 24 atentados, sendo 16 deles apenas na madrugada desta quarta-feira. Desde a tarde de ontem, 21 pessoas foram presas e 15 adolescentes foram detidos pela Polícia Militar por suspeita de participação nos atos criminosos.

Os ataques desta quarta-feira ocorreram em Florianópolis, Itajaí, Blumenau, Navegantes e Criciúma. Apesar do reforço no policiamento, na capital os problemas foram verificados nos bairros da região norte da cidade e no Saco dos Limões (zona sul), mesmos alvos da madrugada anterior.

Um ônibus foi completamente incendiado no bairro dos Ingleses no início da madrugada. Apesar do susto, ninguém ficou ferido. Mais uma vez, os criminosos disparam contra a 2ª Delegacia de Polícia, no bairro Saco dos Limões. Na noite anterior, uma viatura havia sido queimada na porta da unidade.

Dez suspeitos de participação nos ataques foram detidos quando tentavam se esconder em uma creche. Apenas um deles tinha mais de 18 anos. Em Palhoça, dois jovens foram detidos carregando dez litros de gasolina em garrafas pet. Outros nove foram detidos em uma casa na cidade de Itajaí. No local foram encontrados coquetéis molotov.

Em Blumenau e Itajaí, homens tentaram queimar carros e ônibus que faziam linhas em áreas mais afastadas. Já em Criciúma, localizada a 190 km da capital, a polícia registrou dois ônibus queimados, um apedrejado, além de disparados contra a porta do presídio local.

A PM informou que chegou a dobrar o efetivo de soldados nas ruas durante a madrugada para tentar conter os ataques. De acordo com o tenente coronel Araújo Gomes, uma reunião do comando militar era realizada na manhã desta quarta-feira para avaliar a situação e buscar ações para identificar os suspeitos que comandam os ataques.

Especial para Terra