PUBLICIDADE

RS: líder de quadrilha de pastores deve se apresentar até amanhã

18 jul 2012 09h32
| atualizado às 09h33
Publicidade

A mulher considerada líder da quadrilha de pastores estelionatários que aplicava golpes na venda de carros deve se apresentar até esta quinta-feira à polícia gaúcha. De acordo com o delegado Alvaro Luiz Pacheco Becker, da 2ª DP de Bento Gonçalves (RS), a informação foi dada ontem pelos advogados da suspeita, que tem mandado de prisão temporária expedido.

Batismo de fogo: veja nomes 'inusitados' de operações policiais

"Ela é uma mulher com uma oratória muito boa, cativante, que consegue transformar o que diz em algo verdadeiro", contou o delegado. A polícia acredita que a mulher, identificada durante os depoimentos e as investigações da Operação Deus Tá Vendo, está no Rio de Janeiro ou arredores. Segundo Becker, a suspeita já respondeu por estelionato.

Ontem, os cinco pastores evangélicos detidos na operação foram liberados. O delegado explica que, como eles estão identificados, colaboraram com a Justiça e possuem endereço fixo, não havia necessidade de prorrogar o pedido de prisão temporária.

O golpe
A Operação Deus Tá Vendo foi deflagrada pela Delegacia de Polícia de Veranópolis (RS) na semana passada após 11 meses de investigação. Os pastores são acusados de aplicar golpes de venda de veículos muito abaixo do valor. Segundo a Polícia Civil do Rio Grande do Sul, 40 pessoas foram lesadas, entre elas um policial de Veranópolis.

O lucro obtido pela quadrilha somente no RS chega a R$ 1,2 milhão. Eram oferecidos carros, caminhões e até ônibus. Os veículos, no entanto, nunca eram entregues. Para enganar as vítimas, a mentora do esquema se passava por promotora e juíza e levava documentos que comprovariam a legalidade do negócio.

O esquema começou em 2010 no Rio de Janeiro e se ramificou para Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Distrito Federal e Paraná. Segundo as investigações, o dinheiro era depositado na conta de laranjas e receptado na cidade de São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Os acusados responderão pelos crimes de estelionato e formação de quadrilha.

Fonte: Terra
Publicidade