PUBLICIDADE

RJ: perícia confirma que menina disparou contra si mesma

31 ago 2011 02h37
Publicidade
FERNANDA ALVES

Perícia preliminar realizada na arma que atingiu uma criança de 9 anos, na comunidade Piraquê, em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, confirmou que a própria menina pegou a pistola sobre o armário, sentou no sofá da sala e fez o disparo acidental. O caso aconteceu na manhã desta terça-feira, quando a menor brincava com a pistola que pertencia ao pai, no sofá de casa.

A menina estava na companhia de um irmão, de 5 anos, e de irmã de 3 anos. Foi socorrida por uma vizinha, que ouviu o apelo do garoto. Levada de helicóptero para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, a vítima foi submetida a cirurgia que durou mais de sete horas e está em estado grave.

O pai foi indiciado por porte ilegal e omissão na cautela de arma de fogo, mas responderá em liberdade. Na hora do acidente, o comerciante Raimundo Nonato Ferreira, 37 anos, pai da menina, tinha ido a outro imóvel que tem no bairro buscar material de construção. A mãe da criança estava trabalhando e, depois, ficou no hospital acompanhando a filha.

A arma estava escondida em cima do armário no quarto das crianças, debaixo de ursinho de pelúcia. "Trouxe quando vim do Ceará e deixava em casa por segurança, já que tenho um bar. Não achava arriscado deixar em casa porque eu a escondia bem. Achava que ela nunca tinha visto. Era para me proteger, não para ferir minha filha", explicou Raimundo, chorando. Ele alegou que saiu de casa por apenas 10 minutos.

A vizinha Maira José da Silva, 45 anos, que foi a primeira a chegar no local do crime, conta que viveu momentos de pavor: "ela estava caída no chão com um tiro na testa. Fiquei muito assustada".

"Estava nos fundos da minha casa e escutei um disparo bem baixo. Pensei que era bombinha, mas ouvi o menino gritando e saí correndo", revelou Maira José.

Pistola ficava perto da cama
O delegado da 43ª DP, Antônio Ricardo Lima Nunes, informou que o pai não foi preso em flagrante porque ele chamou a polícia. A arma que feriu Carolina é calibre 22 milímetros e não tem registro.

"Só não sabemos se a menina ia pegar o ursinho e encontrou a arma ou se alguma vez ela já tinha visto o pai guardando a pistola no armário", revelou o delegado.

Segundo ele, a pistola estava a 73 cm de distância do local onde a criança dormia, no alto de uma cama beliche. A casa ficará interditada para que seja realizada uma segunda perícia.

Fonte: O Dia
Publicidade