Polícia

publicidade
07 de abril de 2011 • 07h03

RJ: homem é morto e menino de 8 anos baleado em perseguição

 

Um homem foi morto por um policial militar e um menino de oito anos foi baleado, após um tiroteio e uma perseguição, no bairro Fanchen, em Queimados, na Baixada Fluminense, na noite desta quarta-feira. O PM lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Turano, no Rio Comprido, zona norte do Rio de Janeiro, teria abordado dois homens em atitude suspeita. Um deles fugiu e invadiu a casa do menor, onde foi morto. A criança não corre risco de morrer.

Em depoimento na 56ª DP (Comendador Soares), o soldado Tiago Candreva, de 25 anos, contou que recebeu uma denúncia de que dois homens estavam em atitude suspeita na porta do galpão de seu pai, que é policial civil. De acordo com o delegado adjunto Renato Mariano, ele foi ao local de moto na companhia de um amigo e abordou a dupla. Ainda segundo o PM, eles sacaram as armas e houve tiroteio.

Ferido e armado com um revólver calibre 32, um dos criminosos rendeu o motorista de um veículo que passava pelo local e fugiu. Segundo o pastor de 50 anos que dirigia o carro e não se identificou por medida de segurança, o suspeito não foi agressivo. "Ele só dizia: me tira daqui, me tira daqui. Ele estava com mais medo de mim do que eu dele. O deixei em um local onde nem me lembro e fui embora. Fiquei apavorado. Nunca tinha vivido uma situação dessas", contou.

O outro suspeito fugiu a pé pela Rua Heloísa e invadiu o número 112. O PM contou que perseguiu o homem. Ao entrar no terreno, ele estava usando uma criança de dois anos como escudo e a jogou contra Tiago, sacando em seguida o revólver. O policial, porém, foi mais rápido e conseguiu balear o suspeito. Ele ainda foi levado por policiais do 20º BPM (Mesquita) para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Queimados, mas não resisitiu.

O estudante A.F, de oito anos, que mora com parentes no imóvel, foi baleado de raspão na perna e no abdômem. Segundo a mãe dele, a doméstica Eva Souza da Silva, de 50 anos, que tinha ido à igreja, o filho caçula contou que estava no portão de casa quando um homem invadiu o local. Segundo ela, o garoto costuma acompanhá-la ao culto, mas nesta quarta-feira preferiu ficar com a irmã de 12 anos. Ele está internado no Hospital da Posse, em Nova Iguaçu, mas não corre risco de vida. "Podia ter sido pior. O tiro poderia ter pego na cabeça do meu filho. Mas, Deus é misericordioso, é bom para nós", disse Eva.

O caso foi registrado como auto de resistência. O revólver que estava com o morto e a pistola calibre 40 do PM foram apreendidas pe serão encaminhadas para o exame de balística. A polícia tenta descobrir de onde partiu o tiro que feriu A.F. Uma perícia foi feita no local do crime.

Até o fim da madrugada desta quinta-feira, nenhum dos dois suspeitos tinha sido identificado.

O Dia