0

RJ: dois homens são presos com bombas caseiras em Copacabana

23 nov 2010
09h02
atualizado às 10h07
  • separator

Dois homens foram presos e dois menores apreendidos em Copacabana, zona sul do Rio, na madrugada desta terça-feira, acusados de colocar artefatos explosivos embaixo de dois veículos. Segundo a polícia, os quatro são do morro Pavão-Pavãozinho, no mesmo bairro, comunidade contemplada com uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) instalada há exatos 11 meses. A polícia tenta descobrir de quem partiu a ordem para os supostos atentados.

Na noite desta segunda-feira, depois de uma tarde de aparente tranquilidade, bandidos voltaram a aterrorizar as ruas da cidade do Rio. Cinco veículos foram incendiados, sendo dois na rodovia Presidente Dutra, na Pavuna; e os outros no Estácio e na Tijuca. Um veículo chamuscado na praça da Bandeira também pode ter sido atacado por bandidos. Um motorista chegou a ser agredido.

Na zona norte, uma cabine da PM foi metralhada próximo ao shopping Nova América, em Del Castilho.

Em decorrência das ações criminosas de ataque a veículos que vem aterrorizando motoristas desde a tarde de domingo, policiais do 19º BPM (Copacabana) e da 12ª DP (Copacabana) reforçaram o patrulhamento no bairro. Segundo o adjunto da 12ª DP, delegado Bruno Gilaberte, a polícia já tinha a informação de que quatro homens suspeitos em duas motos circulavam pelo bairro.

Na esquina das ruas Xavier da Silveira e Aires Saldanha, por volta de 1h, Thiago da Costa Garcia, de 24 anos, e J., de 15, que estavam em uma moto, foram flagrados colocando um artefato aceso embaixo de um veículo, segundo a polícia. Com a aproximação de um segurança, a dupla fugiu. Ele conseguiu apagar o explosivo. Acionados, PMs fizeram um cerco e prenderam a dupla na Rua Miguel Lemos.

Meia hora depois, na rua Hilário de Gouveia, em frente a Igreja Nossa Senhora de Copacabana, outros dois ocupantes de uma moto também foram vistos colocando outro explosivo embaixo de outro veículo. O artefato não chegou a ser aceso e a dupla fugiu. Já informados das características dos supeitos, PMs conseguiram identificar e aprender o menor P, de 17 anos. Ele estava sozinho, sentado na praça Inhangá ainda com o capacete na mão.

Com base em informações, no fim da madrugada, policiais da 12ª DP foram ao morro do Cantagalo, em Copacabana, e conseguiram prender Renan Fortunato do Couto, de 19 anos, apontado como comparsa de P. e condutor da segunda moto. Ele foi detido na casa de uma amiga com três mulheres, consumindo maconha e cocaína. Ele foi reconhecido por PMs e não resistiu a prisão. Não houve confronto.

Ainda segundo o delegado Bruno Gilaberte, Thiago já tinha sido preso por furto, durante um assalto em Bonsucesso quando trocou tiros com PMs. O menor J. também tem passagem pela polícia, mas por furto. Renan e as amigas serão indiciados por uso de drogas. Os quatro suspeitos de colocar os explosivos serão autuados por crime de explosão e formação de quadrilha. A pena pode chegar a nove anos de prisão.

Os artefatos explosivos serão encaminhados para o Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). A Polícia Civil tenta através do depoimento dos presos e apreendidos descobrir o responsável pela ordem dos ataques.

"Agora pode chamar os bombeiros"
Já na Tijuca, o deboche marcou mais um ataque a proprietários de veículos. O Renault Clio placa LNY-4753 ficou parcialmente destruído pelas chamas, na rua Domício da Gama, uma via tranquila de casas e que conta com um vigia. Dois homens em uma moto foram vistos jogando combustível na lataria do veículo. Um recipiente plástico e uma caixa de fósforo foram deixados no local. Também não houve feridos.

De acordo com a corretora D., de 36 anos, proprietária do carro, ela se preparava para dormir quando foi alertada por vizinhos do andar de cima. As chamas atingiram a traseira e a frente do veículo. O fogo foi debelado por vizinhos com o auxílio de baldes e extintores de incêndio. A vizinha dela, C., de 22 anos, contou que estranhou a atitude de dois homens que estavam próximo ao carro.

"Vi da janela que os dois estavam impacientes, olhando de um lado para o outro. Senti que iam fazer besteira e saí da janela. Mas depois, rapidamente os vi jogando um líquido sobre o carro", descreveu. "Quando o fogo pegou, um deles me viu e disse: "agora pode chamar o bombeiro", revelou. Os criminosos fugiram na moto em direção a rua Haddock Lobo.

A polícia investiga também um princípio de incêndio no Honda Civic verde placa GSZ-6141, na Travessa Doutor Araújo, na praça da Bandeira, a um quarteirão da 18ª DP, delegacia do bairro. Segundo um inspetor, o dono do veículo contou que o carro estava estacionado em frente a sua residência. A mulher dele viu o Honda em chamas. Ela não teria visto ninguém em atitude suspeita ou fuga. O para-choque e parte da lateral ficaram chamuscados. O dono e um motorista que passava pelo local usaram extintores para debelar o fogo. A perícia está sendo aguardada para apurar as causas do princípio de incêndio.

Durante a madrugada, o policiamento foi reforçado na 18ª 20ª (Vila Isabel) e 6ª (Cidade Nova) delegacias. Um inspetor informou que foi emitido um alerta para essas três unidades. Não foram registrados incidentes até o início da manhã desta terça-feira.

Veja também:

Ministro da Saúde alerta para aumento de casos da covid-19 no interior do Brasil
Fonte: O Dia
publicidade