0

RJ: caseiro confundido com assaltante é linchado em São Gonçalo

30 set 2010
04h10

Confundido com um ladrão de celular, o caseiro Marco Antônio Corrêa Vicente, de 19 anos, foi a quarta vítima de linchamentos em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, nos últimos seis meses. Pelo menos mais quatro pessoas foram espancadas em ruas da cidade no mesmo período, mas conseguiram sobreviver. O corpo do jovem, surrado por dezenas de pessoas até a morte na manhã dessa terça-feira, no Jardim Catarina Novo, foi enterrado na quarta-feira à tarde no Cemitério São Miguel.

A barbárie em série, desencadeada pelo desejo de buscar a justiça com as próprias mãos, revolta parentes das vítimas e é motivo de preocupação para autoridades e especialistas em segurança. Dos oito casos de violência, pelo menos cinco envolveriam inocentes.

Os pais de Marco Antônio demonstraram perplexidade. "Meu filho seguia para o trabalho de bicicleta, quando alguém teria gritado que ele era o rapaz que vinha roubando celulares de estudantes na área. Foi o suficiente para um grupo cercar e bater nele covardemente até a morte. Ainda levaram a bicicleta, que pertencia a um amigo", lamentou o pai de Marco Antônio, o ajudante de obras Marco Antônio da Conceição Vicente, 42.

Segundo testemunhas, moradores da Rua Tambacuris atacaram o rapaz com chutes, socos, pedras e paus. Ele ainda teve o braço esquerdo quebrado e foi enforcado com fios de energia elétrica.

Nessa quarta-feira, agentes da 74ª DP (Alcântara) tentaram localizar os assassinos. O delegado-adjunto Luciano Coelho afirmou que a polícia repudia esse tipo de ação e que os criminosos serão indiciados por homicídio qualificado, cuja pena varia de 12 a 30 anos de prisão.

Mãe: "Nada justifica essa selvageria"

Indignada, a mãe de Marco Antônio, Zuleica Corrêa, 38 anos, que é separada de Marco Antônio Corrêa, contou que o filho tinha ido morar com a avó, Iraci, 65, que é cega e diabética. "Ele não queria deixá-la sozinha", disse, chorando, Zuleica, ao ressaltar que há alguns anos o filho tinha ido parar na delegacia por conta de uma bebedeira com amigos. "Mesmo que ele tivesse envolvimento com crimes, nada justificaria essa selvageria", completou.

Para a irmã, Renata Corrêa, 22, ficará a lembrança de um rapaz honesto, brincalhão e preocupado com a família. "Todos que o conheciam, gostavam dele. Cometeram uma atrocidade e queremos justiça", afirmou.

PM salva homem preso em poste

A lei do 'olho por olho, dente por dente' também vitimou outro suposto inocente: confundido com um estuprador, Mário Isidoro de Salles, 42 anos, foi capturado por cerca de 50 pessoas no bairro Mutuá, no dia 2. Amarrado a um poste, recebeu chutes e pontapés por todo o corpo. Mas foi salvo por policiais do 7º BPM (São Gonçalo) que passavam pelo local na hora. Na delegacia, mais tarde, não foi reconhecido por nenhuma vítima e acabou liberado.

A mesma sorte não teve o deficiente mental Luiz Carlos Teixeira de Aguiar, 48. Acusado também de ser estuprador, foi morto a pauladas por moradores de Tribobó no dia 19 de março. O corpo, nu, foi arrastado por 200 metros pela Rua Dalva Raposo. Um cartaz no pescoço dizia: "Estuprador. Deu mole, safado!".

Alerta para as autoridades: crimes sugerem insatisfação popular

Para a socióloga Julita Lemgruber, diretora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, os linchamentos em São Gonçalo, que fica a 20 km do Rio, são alerta para autoridades em segurança pública.

"É preciso entender a dinâmica desse tipo extremo de reação. Geralmente, essas atitudes grotescas estão relacionadas a uma profunda insatisfação da comunidade com a questão da impunidade. Essa prática abominável assustou São Paulo na década de 70", explicou.

Especialista em Sociologia Urbana da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Dário de Souza comparou a sequência de linchamentos às ações dos xerifes do velho oeste americano. "Os xerifes percorriam os lugares mais distantes, promovendo sentenças imediatas, com execuções sumárias e sem julgamento, com o propósito de satisfazer a população. Parece que os acontecimentos de São Gonçalo estão relacionados também à busca de justiça por moradores que se acham ameaçados de alguma forma. Boa parte não acredita mais nas instituições, na polícia ou na Justiça, como forma de solucionar seus medos. Isso é muito perigoso", advertiu.

O comandante do 7º BPM, coronel Roberto Gil, não comentou o assunto porque, segundo a assessoria, estava em reunião durante a tarde.

Fonte: O Dia

compartilhe

publicidade
publicidade