Polícia

publicidade
03 de fevereiro de 2014 • 17h26 • atualizado em 03 de Fevereiro de 2014 às 23h12

Polícia investiga se filho de Alckmin foi vítima de assalto ou sequestro

O filho do governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), Thomaz Rodrigues Alckmin, e sua filha foram vítimas de uma "abordagem criminosa" na noite de domingo, na capital paulista. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-SP), policiais militares impediram a ação dos bandidos e retiraram o filho e a neta do tucano em segurança. A pasta não forneceu detalhes sobre a ocorrência. Segundo a SSP, a abordagem será investigada pela Polícia Civil, “que não descarta nenhuma hipótese até o momento”.

Entre outras hipóteses, a polícia investiga se a abordagem ao filho do governador foi um assalto, um atentado ou uma tentativa de sequestro. "Ele ia levando a filha, minha netinha, no carro; ele dirigindo, ela atrás. Foi interceptado, a segurança reagiu e os bandidos fugiram. Vamos aguardar a investigação para verificar se foi uma tentativa de assalto ou não", disse Alckmin, deixando a vago se atentado ou sequestro poderiam ser outras hipóteses. "A polícia está trabalhando e confiamos no trabalho dela."

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, afirmou que um dos bandidos que abordaram o filho do governador pode ter sido ferido. "Estamos investigando, intensificando os trabalhos. Temos informações que um dos agressores foi atingido, pois encontramos marcas de sangue no carro que foi abandonado", disse. "As informações que temos é de que eram quatro bandidos. Ainda não temos clareza sobre o que aconteceu e as motivações do crime."

Em 2004, Thomas teve uma moto roubada, depois de sair sem escolta, também em um domingo. Em 2002, ele também foi vítima da violência na capital paulista. Durante uma tentativa de assalto ao carro onde estava o filho do governador, um PM que fazia sua escolta foi morto. 

Na ocasião, os policiais Adoniran Francisco dos Santos Júnior, 29 anos, e Diógenes Barbosa Paiva, 38 anos, foram baleados quando aguardavam Thomaz na porta da casa de sua namorada Fabíola, na Vila Mariana, zona sul da capital paulista. Diógenis não resistiu aos ferimentos e morreu.

Terra