3 eventos ao vivo

Polícia investiga pichação do Cristo Redentor

16 abr 2010
02h11

O Cristo Redentor, uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, amanheceu pichado ontem. Frases de protestos como "cadê a engenheira Patrícia?" (desaparecida em 2008 após passar por uma blitz da PM na Barra) e "quando os gatos saem, os ratos fazem a festa" foram escritas na estátua. A 9ª DP abriu inquérito para apurar o caso. O prefeito Eduardo Paes prometeu reforçar a segurança no local.

Para alcançar a estátua, a polícia acredita que os pichadores tenham subido pelos andaimes. Os vândalos aproveitaram que o ponto turístico está deserto e fechado à visitação desde o dia 6 de abril, devido aos deslizamentos provocados pelo temporal. Os acessos pelo Parque Nacional da Tijuca foram bloqueados e a encosta pelos trilhos do Trem do Corcovado também foi afetada.

O prefeito e a ministra do Meio Ambiente, Izabella Mônica Vieira Teixeira, sobrevoaram a área para conferir os estragos da chuva e constataram o vandalismo. "Nós vamos descobrir o responsável pelo ataque. É inadmissível que no momento que a cidade está passando alguém pense em fazer uma coisa destas. A Comlurb já está atuando, junto com a empresa que faz a reforma na estátua, para retirar as pichações em até 48 horas", disse Paes. Por meio de sua assessoria de imprensa, a ministra classificou o ato como lamentável: "Não imaginava chegar ao Rio e ter uma notícia dessas".

Equipes da 9ª DP foram ontem ao Cristo. "Foi uma falta de respeito. Não vai ser difícil pegar os pichadores", concluiu o delegado-titular da 9ª DP, Carlos Augusto Nogueira. Quem tiver informação sobre os criminosos pode denunciá-los à delegacia através do telefone 2334-4126. Não é preciso se identificar.

Pichar um monumento é crime ambiental, segundo a Lei 9.605, de 1998. A pena é de 3 meses a 1 ano de prisão mais multa. Se for tombado, a pena mínima aumenta mais 6 meses.

Fonte: O Dia

compartilhe

publicidade