0

Polícia Federal esclarece prisão de 25 manifestantes na Unifesp

15 jun 2012
14h15
atualizado às 14h26

A Polícia Federal divulgou, no final da manhã desta sexta-feira, uma nota sobre a prisão de 25 pessoas envolvidas em um protesto no campus de Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) na noite desta quinta-feira. De acordo com os depoimentos colhidos na superintendência da PF em São Paulo, a manifestação por melhores condições de alimentação, transportes e moradia havia se iniciado de forma pacífica, ao longo de uma caminhada, se transformou em agressões verbais quando chegou à frente da diretoria acadêmica. De acordo com a Polícia Federal, manifestantes entraram no prédio e quebraram vidraças, "levando os professores e servidores que lá estavam a se sentirem acuados".

Alunos invadirame picharam o prédio da Unifesp, segundo a PF
Alunos invadirame picharam o prédio da Unifesp, segundo a PF
Foto: Divulgação

Ainda segundo a PF, após a invasão, o grupo passou a pichar o prédio e a quebrar objetos, dentro e fora da diretoria acadêmica, havendo incitação a uma nova ocupação. Nesse momento, a Polícia Militar foi chamada para tentar restabelecer a ordem no campus. Com a chegada da PM, o grupo reagiu e 25 pessoas foram conduzidas para a sede da PF na capital paulista. De acordo com as primeiras informações, o número de detidos pela PM era de 26 manifestantes, mas essa informação foi corrigida mais tarde.

Após a detenção do grupo, foi feita a perícia no local, constatando danos ao patrimônio da universidade. Dos conduzidos à PF, 22 pessoas foram autuadas em flagrante e responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de dano ao patrimônio público, constrangimento ilegal e formação de quadrilha, cujas penas somadas podem atingir oito anos de prisão.

Entre os envolvidos, 14 pessoas já haviam sido conduzidas ao prédio da Polícia Federal no dia 6 de junho, quando aconteceu a reintegração de posse do mesmo campus. Segundo a polícia, três dos detidos possuem antecedentes criminais por dano e formação de quadrilha. Os presos serão encaminhados para o Centro de Detenção Provisória de Pinheiros.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade