0

Mulher foi parada em estrada com corpo de executivo da Yoki no carro

8 jun 2012
21h07
atualizado às 23h01

Elize Matsunaga, que confessou ter matado e esquartejado o marido, foi parada na rodovia SP-127, em Capão Bonito, no interior de São Paulo, enquanto transportava o corpo de Marcos Matsunaga, executivo da Yoki, no porta-malas. Segundo informou a Polícia Militar em nota, ela estava com o licenciamento vencido havia 20 dias. Ele foi multada na base da polícia rodoviária do Estado e seguiu viagem.

Veja mais de 30 crimes que abalaram o País
Relembre belas mulheres que entraram no mundo do crime

De acordo com o Jornal Nacional, a mulher do empresário seguia para o Paraná, onde mora sua família, mas decidiu voltar no meio do caminho. Após ser multada, ela viajou mais 180 km e desovou as malas com partes do corpo do empresário em Cotia, na Grande São Paulo.

Pelo Código de Trânsito Brasileiro, o veículo sem o devido licenciamento deve ser apreendido. Porém, ordem de serviço do Comando de Policiamento Rodoviário de São Paulo determina que deve ser apenas recolhido o documento e realizada a autuação nos casos do licenciamento vencido por até 30 dias, "haja vista que a pessoa terá de se deslocar por meios próprios, o que nem sempre é possível".

Segundo a PM, o carro não foi revistado porque se tratava de uma abordagem administrativa, com o objetivo de verificar itens como documentação, condições de segurança e itens obrigatórios. Além disso, Elize não estava em atitude suspeita, o que determinaria uma vistoria no carro.

Empresário é esquartejado
Executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, 42 anos, foi considerado desaparecido em 20 de maio. Sete dias depois, partes do corpo foram encontradas em Cotia, na Grande São Paulo. Segundo a investigação, o empresário foi assassinado com um tiro e depois esquartejado. Principal suspeita de ter praticado o crime, a mulher dele, a bacharel em Direito e técnica em enfermagem Elize Araújo Kitano Matsunaga, 38 anos, teve a prisão temporária decretada pela Justiça no dia 4 de junho. Ela e Matsunaga eram casados há três anos e têm uma filha de 1 ano. O empresário era pai também de um filho de 3 anos, fruto de relacionamento anterior.

De acordo com as investigações, no dia 19 de maio, a vítima entrou no apartamento do casal, na zona oeste da capital paulista e, a partir daí, as câmeras do prédio não mais registram a sua saída. No dia seguinte, a mulher aparece saindo do edifício com malas e, quando retornou, estava sem a bagagem. Durante perícia no apartamento, foram encontrados sacos da mesma cor dos utilizados para colocar as partes do corpo esquartejado do executivo. Além disso, Elize doou três armas do marido à Guarda Civil Metropolitana de São Paulo antes de ser presa. Uma das armas tinha calibre 380, o mesmo do tiro que matou o empresário.

Em depoimento dois dias depois de ser presa, Elize confessou ter matado e esquartejado o marido em um banheiro do apartamento do casal. Ela disse ter descoberto uma traição do empresário e que, durante uma discussão, foi agredida. A mulher ressaltou ter agido sozinha.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade