0

MA: lavrador teria deixado filhos e vizinhos abusarem de filha

19 jun 2010
17h12
atualizado às 17h22

O lavrador Raimundo Pimentel Correia, 69 anos, preso, na quinta-feira, acusado de abusar da filha de 12 anos, não seria o único a estuprar a menina, segundo a delegada regional de Pinheiro, Laura Amélia Barbosa. A menina disse era abusada pelos irmãos, por um meio irmão e por vizinhos. Raimundo foi detido na mesma cidade onde o também lavrador José Agostinho Bispo Pereira foi preso e indiciado por estuprar as duas filhas, com quem teve oito filhos-netos, além de abusar duas dessas.

Em depoimento à polícia, a menina disse que acreditava receber medicamentos anticoncepcionais, mas a informação não foi comprovada. "Ela disse que alguém injetava anticoncepcionais e que lhe davam comprimidos", disse a delegada, afirmando que foram encontradas pílulas na casa, mas que se tratavam de sulfato ferroso.

A menina disse que começou a ser abusada após a morte da mãe, há cerca de um ano. Na casa, viviam o lavrador, a menina e mais cinco meninos (de 10, 14, 15 e 16 anos). O jovem de 15 anos seria filho-neto de Raimundo com a enteada, e esta seria fruto de outra relação da mãe que morreu. No entanto, a mulher, hoje com aproximadamente 40 anos, ainda está sendo procurada para prestar depoimento.

Este rapaz de 15 anos também teria abusado da jovem, além de dois irmãos e vizinhos, inclusive pessoas de idade. O exame de conjunção carnal comprovou que a menina já era abusada há pelo menos um ano.

De acordo com Laura, o caso de Agostinho Bispo Pereira incentivou a comunidade a denunciar outras situações semelhantes. No caso de Raimundo, foi um familiar que tomou a iniciativa. "Um outro irmão mais velho, de 25 anos, que mora no Rio de Janeiro, visitou a família. Ele disse no povoado de Jussaral (onde viviam) que teria visto o pai e os irmãos abusarem da menina. Com o caso de Pinheiro, as pessoas começaram a falar, e a diretora da escola resolveu denunciar o que aconteceu", afirmou.

"Tivemos que agir rápido. Recebemos informações de que ele (Raimundo) estava preocupado com a repercussão que o caso poderia ter, e que planejava fugir. Mas logo conseguimos a prisão preventiva, até mesmo pelas armas que foram encontradas na casa dele", disse.

Fonte: Redação Terra
publicidade