Governo do Rio nega ajuda da Força Nacional, diz ministro

17 out 2009
18h16 atualizado às 18h56
18h16 atualizado às 18h56
Publicidade

Não há necessidade de interferência da Força Nacional para ajudar ogoverno do Rio de Janeiro no combate à criminalidade, disse, hápouco, o ministro da Justiça, Tarso Genro. A afirmação foi feita aocomentar o confronto entre traficantes e policiais ocorridos neste sábado na capital fluminse.

Os tiroteios provocaram 12 mortes dez bandidos e dois policiais -, a explosão de um helicóptero e o incêndio de pelo menos dez ônibus.

Tarso Genro informou que conversou com o governador do Rio, Sérgio Cabral, sobre os tiroteios entre traficantes do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte do Rio, o que levou a polícia a intervir no confronto. De acordo com o ministro, Cabral disse que a Polícia Militar e a Polícia Civil têm equipamentos e condições suficientes para continuar o seu trabalho, cujo sucesso não depende de mais pessoal nem de mais armamentos, mas da continuidade das ações preventivas para o enfrentamento do crime.

O ministro afirmou que acontecimentos como os de hoje podem voltar a ocorrer e não devem significar abalo para o Comitê Olímpico Internacional, que escolheu a cidade do Rio de Janeiro para sediar as Olimpíadas de 2016, ou provocar expectativas negativas em relação à realização da Copa do Mundo, em 2014 (o Rio será uma das doze cidades-sede do Mundial).

"Ao escolher a cidade, eles já tinham conhecimento do trabalho que vem sendo realizado na área da prevenção e que continuará, pois vem fazer face à omissão do Estado nas últimas décadas em relação à segurança pública", afirmou Tarso. Nos próximos anos, segundo ele, a cidade estará em melhores condições para sediar os eventos, porque os programas em execução vão preparar o Rio para recebê-los.

O governo federal poderá repor, em breve, o helicóptero destruído pelos traficantes, caso receba pedido do governo fluminense, segundo Tarso Genro. Ele afirmou que as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e as ações do Programa Nacional de Segurança Pública e Cidadania (Pronasci) reduziram os espaços ocupados pelo tráfico de drogas.

Por isso, assinalou, ocorrem fatos como os de hoje, nos quais territórios do crime começam a ser disputados por facções rivais. Tarso Genro também se solidarizou com as famílias dos policiais mortos durante as operações.

Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade