Polícia

publicidade
28 de dezembro de 2009 • 14h06 • atualizado às 15h28

Foragido havia 18 anos, pai de Eloá é preso em AL

Everaldo dos Santos foi reconhecido pela televisão depois de uma crise de hipertensão durante o sequestro em Santo André
Foto: Adriano Lima / Futura Press
 
Odilon Rios
Direto de Maceió

A Polícia Civil de Alagoas prendeu nesta segunda-feira o cabo da Polícia Militar (PM) de Alagoas Everaldo dos Santos, pai da menina Eloá dos Santos, morta em outubro de 2008 pelo namorado durante cárcere privado em Santo André (SP). Segundo informações da delegada Lucy Mônica, chefe do setor de estatística da polícia, ele estava em uma casa na capital alagoana e tentou resistir à prisão. "Recebemos uma denúncia anônima e fomos ao local", disse. Ele será apresentado à tarde pela Secretaria de Defesa Social.

Everaldo foi reconhecido como um dos integrantes da Gangue Fardada, organização criminosa que atuava em Alagoas na década de 90. O cabo da PM estava foragido da Justiça local havia 18 anos e responde por, pelo menos, quatro assassinatos

Em um julgamento em novembro, Everaldo foi condenado pela Justiça a 33 anos, três meses e 22 dias de prisão pela morte do delegado Ricardo Lessa e seu motorista, Antenor Carlota, em 1991. Ricardo Lessa era irmão do ex-governador, Ronaldo Lessa. Ele também foi condenado a pagar R$ 653 mil de indenização por danos morais a família de Lessa e mais R$ 146 mil a família de Carlota. Everaldo foi julgado à revelia durante mutirão carcerário realizado neste sábado pela Justiça de Alagoas.

O homem foi reconhecido por autoridades alagoanas pela televisão, no momento em que era carregado em uma maca, para um hospital, depois de uma crise de hipertensão enquanto a filha era mantida em cárcere privado em Santo André. Everaldo, na ocasião, acabou fugindo, mais uma vez, das autoridades.

Especial para Terra