0

Flagrado ao matar ex-mulher em salão de beleza é julgado em MG

19 ago 2011
11h36
atualizado em 21/8/2011 às 19h14
Ney Rubens
Direto de Belo Horizonte

Começou pouco antes das 10h desta sexta-feira no Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, no centro de Belo Horizonte, o julgamento popular do borracheiro Fábio William Soares, 32 anos, acusado de matar a tiros a ex-mulher Maria Islaine de Morais, 30 anos, em 29 de janeiro do ano passado. O crime aconteceu dentro do salão de beleza da vítima, que era cabeleireira, no bairro Guarani, região norte da capital mineira, e foi gravado pelas câmeras de segurança do estabelecimento.

Fabão, como é conhecido, é julgado por homicídio triplamente qualificado - motivo torpe, sem chance de defesa para a vítima e com emprego de meio cruel. Se condenado, ele pode pegar entre 12 e 30 anos de cadeia.

O advogado Ércio Quaresma Firpe, que defende o borracheiro, dá como certa a condenação, mas afirmou ao chegar no fórum que "a intenção é reduzir a pena para o mínimo legal, aliviando todos os agravantes do homicídio".

A família de Maria Islaine chegou antes das 8h ao fórum, com camisas que estampavam a foto da cabeleireira e a palavra "Justiça", além de faixas de protesto.

Segundo Cláudio de Morais, 39 anos, irmão da vítima, Maria Islaine já havia denunciado o ex-marido várias vezes, mas nada tinha sido feito. "No meu modo de ver, o Estado falhou. A Lei Maria da Penha não foi cumprida", afirmou. Segundo ele, a família está mais aliviada com esse julgamento, para "que ele possa servir de base não só para a minha irmã, mas para todas as Marias do Brasil".

A irmã do acusado, Luciana Maria Stella Soares, contou que espera um julgamento justo. "Que o juiz e os jurados não tentem mostrar só agora que a Lei Maria da Penha vale. Muitas mulheres já morreram depois dela e nada foi feito", afirmou.

Ao longo do julgamento serão ouvidas dez testemunhas, sendo cinco de defesa e cinco de acusação. Outras oito testemunhas já foram ouvidas anteriormente. A previsão é a de que a decisão seja tomada pelos sete jurados do conselho de sentença no final da noite.

Sentado no banco dos réus, borracheiro Fábio William Soares, 32 anos, tenta reduzir sua pena, após flagrante
Sentado no banco dos réus, borracheiro Fábio William Soares, 32 anos, tenta reduzir sua pena, após flagrante
Foto: Terra
Fonte: Terra
publicidade