Em manhã de enterro de atirador, cemitério tem gravação de filme

atualizado às 15h58
  • separator
  •  
  • comentários
Rodrigo Teixeira
Direto do Rio de Janeiro

Na mesma manhã em que foi enterrado o corpo de Wellington Menezes de Oliveira, atirador que matou 12 alunos da escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, um filme era gravado no local, o Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária do Rio.

José Wilker grava filme sobre personagem que fez em novela
José Wilker grava filme sobre personagem que fez em novela
Foto: Rodrigo Teixeira / Especial para Terra

Veja fotos ampliadas do ataque à escola em Realengo
Veja como foi o ataque aos alunos em Realengo

Uma equipe gravou no local cenas do novo filme do ator e diretor José Wilker, Giovanni Improtta , que conta a história do personagem que ele interpretou em Senhora do Destino , de Aguinaldo Silva, em 2004.

Toda a movimentação levou ao local integrantes de uma escola de samba e também mulatas seminuas, o que acabou incomodando parentes de pessoas que estavam sendo enterradas no local.

"Hoje é um dia de luto. É um desrespeito trazer esse carnaval para cá. Quem autorizou isso não tem coração, deviam fazer isso em um horário no qual não acontecesse enterros", disse um homem que acompanhava um enterro e preferiu não se identificar.

Amanda Maria e Silva, 65 anos, condenou a presença de uma escola de samba no cemitério e tão próximo ao local onde se vela os mortos. "Hoje (Sexta-Feira Santa) é um dia de reflexão. Vim aqui enterrar uma amiga, e escuto um samba, mulher nua. E tenho que achar bonito? Isso é profano" disse.

Atentado
Um homem matou pelo menos 12 estudantes a tiros ao invadir a Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro, na manhã do dia 7 de abril. Wellington Menezes de Oliveira, 24 anos, era ex-aluno da instituição de ensino e se suicidou logo após o atentado. Segundo a polícia, o atirador portava duas armas e utilizava dispositivos para recarregar os revólveres rapidamente. As vítimas tinham entre 12 e 14 anos. Outras 18 ficaram feridas.

Wellington entrou no local alegando ser palestrante. Ele se dirigiu até uma sala de aula e passou a atirar na cabeça de alunos. A ação só foi interrompida com a chegada de um sargento da Polícia Militar, que estava a duas quadras da escola. Ele conseguiu acertar o atirador, que se matou em seguida. Em uma carta, Wellington não deu razões para o ataque - apenas pediu perdão de Deus e que nenhuma pessoa "impura" tocasse em seu corpo.

Especial para Terra

compartilhe

publicidade
publicidade