publicidade
09 de dezembro de 2012 • 10h29 • atualizado às 13h17

Corpo de mulher atropelada em Congonhas é enterrado em SP

SP: Camila gritava de dor, diz amigo de mulheres atropeladasClique no link para iniciar o vídeo
SP: Camila gritava de dor, diz amigo de mulheres atropeladas
 

Após passar o fim da noite e a madrugada sendo velado por amigos e familiares no Cemitério da Saudade, em Piracicaba, no interior paulista, o corpo de Clarice Costa, morta aos 56 anos em um acidente no sábado, foi sepultado pouco após as 10h deste domingo. A moradora de Piracicaba foi atropelada por um carro desgovernado na área de desembarque de passageiros do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo.

Sua filha, Camila Turolla, 27 anos, também foi atingida pelo veículo e foi hospitalizada, mas tem quadro estável. Junto com as duas mulheres, estavam no aeroporto o marido de Camila e o filho do casal, de 5 anos. A família havia chegado à capital paulista de carona com um amigo para embarcar em uma viagem de turismo a Florianópolis.

Veja momento em que mãe e filha são atropeladas em CongonhasClique no link para iniciar o vídeo
Veja momento em que mãe e filha são atropeladas em Congonhas

O atropelamento ocorreu por volta das 6h do sábado. O motorista, Wagner Gomes Alvarenga, 23 anos, contou à polícia ter participado de uma festa de fim de ano da empresa na zona oeste, onde "bebeu um pouco". Na volta para casa, passou pelo aeroporto, perdeu a consciência, o controle do carro e subiu na calçada, atropelando as duas mulheres.

O exame do bafômetro de Alvarenga mostrou uma concentração de 0,28 miligramas de álcool por litro de ar expelido (mg/l), índice acima do que a lei permite para conduzir um veículo. Segundo a Polícia Civil, além de pagar multa e receber penalidades administrativas, o motorista vai responder por homicídio doloso - quando há intenção de matar - e por tentativa de homicídio.

Após o auto em flagrante, Alvarenga foi levado à carceragem do 2º DP (Bom Retiro), onde passou a madrugada de sábado. Na manhã deste domingo, seu advogado de defesa, Hednilson Fitipaldi, foi ao Fórum entregar um pedido de liberdade provisória. "Ele nunca se envolveu em acidente de trânsito, não tem passagem anterior pela polícia e, segundo a família, não possui pontos na carteira", afirmou Fitipaldi.

Terra