0

Brasileiros presos em Israel devem deixar o país em breve

16 nov 2010
13h47
atualizado às 13h58
  • separator
Gabriel Toueg
Direto de Tel Aviv

A polícia de Tel Aviv liberou nesta terça-feira os passaportes de Lilian, Elza e Victor Lichewitz, presos no começo do mês em Israel por suspeita de tráfico de drogas. O casal Victor e Elza estavam com restrição de deixar Israel, mas a proibição foi revogada nesta terça, de acordo com os advogados da família.

Segundo Elza, a viagem para o Brasil ocorrerá "assim que encontrarmos passagem". De acordo com Elza, não há passagens no momento. Em conversa com o Terra, Elza disse que, ao voltar para o Brasil, a família pretende "retomar a vida". Ela afirmou que os três deixaram trabalho e estudos e que precisam voltar à rotina. "Nossas feridas estão cicatrizando, estamos enterrando o que aconteceu".

Para ela, não há decisões sobre processar o hotel Metropolitan, em Tel Aviv, ou Shmuel Shoel, indicado pela filha, Lilian, como quem teria encomendado a mochila que continha 1,2 kg de haxixe, motivo pelo qual os três foram detidos, quando já estavam no avião que os levaria para o Brasil, no dia 1º de novembro. "Depois pensaremos no que vamos fazer", disse.

As informações sobre o processo de investigação dos Lichewitz são mantidas em sigilo pela polícia israelense. Embora eles tenham sido liberados e possam deixar o país, a polícia se recusa a dar informações sobre a investigação, que continua. A pessoa que entregou a mochila no hotel foi presa depois da liberação dos familiares, mas sua identidade não foi revelada.

Os Lichewitz foram presos no dia 1º de novembro, depois de terem deixado no hotel onde estava hospedados a mochila, que diziam não ser deles. Funcionários do estabelecimento acionaram a polícia, que os prendeu no aeroporto Ben Gurion. No dia 4, os pais, Elza e Victor, foram liberados para prisão domiciliar, mas com restrição de deixar o país por 30 dias.

No dia 7, Lilian Lichewitz foi liberada para prisão domiciliar, sem restrição de deixar Israel. O período de prisão domiciliar dos três terminou na última semana, porém, apenas nesta terça-feira, a polícia revogou a proibição dos pais de deixar o país.

Veja também:

Bolsonaro já admitiu que Wassef era seu advogado
Fonte: Especial para Terra
publicidade