PUBLICIDADE

'Não iremos retroceder', diz major sobre ataques a policiais em SP

22 jun 2012 13h07
| atualizado às 17h09
Publicidade
Thiago Tufano
Direto de São Paulo

Após os ataques contra PMs, o major Marcel Soffner, da Polícia Militar do Estado de São Paulo, resolveu falar. Disse que os policiais estão preparados e não irão retroceder. "Policial é policial 24 horas por dia, preparado e extremamente comprometido com a segurança pública para proteger o cidadão. O policial não retrocede em nenhum momento e não iremos retroceder. O policial tem hombridade e comprometimento com a segurança."

O major também comentou sobre uma mudança na legislação, para aumentar a pena em caso de crime contra agentes de segurança. "Se o crime é feito contra o policial, está sendo feito contra a sociedade, contra o cidadão. Defendemos a tese de que a pena deva ser dobrada ou agravada pelo simples fato de ter sido contra um agente de segurança. Os parlamentares precisam refletir a respeito disso."

Sobre a onda de ataques dos últimos dias, Soffner falou que ainda não podemos afirmar que os crimes têm conexão. "O DHPP está trabalhando em conjunto com a Corregedoria. Todas as circunstâncias não são descartadas e não temos ainda indícios de que esses crimes têm conexão. Nenhum tipo de situação é descartada."

Para evitar novos ataques, o major confirmou que a PM estará com um grande contigente nas ruas pelos próximos dias, mas sem fornecer muitos detalhes. "A partir de hoje iremos concentrar um grande contingente de policiais. Faremos fiscalizações, abordagens no sentido de identificarmos qualquer tipo de situações que venham a acontecer. A operação será feita em toda a cidade, mas não iremos dar mais detalhes por uma questão estratégica."Sequência de crimes
Um policial militar foi morto a tiros no final da madrugada desta sexta-feira, na região do Grajaú, zona sul de São Paulo. Segundo informações da assessoria da Polícia Militar, Osmar Santos Ferreira foi alvejado por volta das 5h, na avenida Prefeito Lauro. Ferido, o policial foi encaminhado ao Pronto-Socorro do Grajaú, mas não resistiu aos ferimentos. O crime é mais um da recente onda de ataques a policiais em São Paulo.

Ainda na mesma madrugada, uma base da Polícia Militar foi alvo de tiros na região de Itaquera, na zona leste de São Paulo. Segundo informações da Polícia Militar, o ataque ocorreu na rua Joapitanga, por volta das 2h. Apenas um policial estava no local no momento do ataque, e conseguiu se esconder agachado. Além da base, os tiros acertaram a vários carros, entre eles uma viatura da PM, além da janela de uma casa. Após o ataque, houve perseguição e um criminoso foi morto. Os demais bandidos conseguiram fugir.

Na noite de ontem, um policial acabou morrendo durante um confronto com criminosos na rua Henrique Sam Mindlin. Segundo a Polícia Militar, Paulo César Lopes Carvalho estava à paisana em um mercado na rua Henrique Sam Mindlin, quando três criminosos chegaram ao local para uma tentativa de assalto. Carvalho, que tinha 15 anos de corporação, reagiu e acabou sendo baleado na cabeça. Um dos criminosos foi atingido pelo PM, e também morreu. Os outros dois suspeitos fugiram em uma moto.

Todos estes crimes, associados ao ataque a uma base policial em São Mateus e à morte de um policial em Pirituba gera a expectativa sobre uma onda de ataques. O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, descarta ato orquestrado por facções criminosas.

Vidro de viatura da PM fica destruído após ataque
Vidro de viatura da PM fica destruído após ataque
Foto: Helio Torchi / Futura Press
Fonte: Terra
Publicidade