1 evento ao vivo

Polícia Federal vive crise sem precedentes, diz Federação

22 nov 2012
23h25

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Marcos Wink, afirmou que a Polícia Federal (PF) vive uma crise nunca vista antes, em razão da omissão da direção da instituição na solução dos problemas do órgão. As informações são da Agência Câmara.

Wink afirmou que a PF tem, constitucionalmente, a função de reprimir e prevenir o crime, diferentemente das polícias Civil e Militar. No entanto, segundo ele, a PF tem deixado de lado a polícia preventiva e cuida apenas da repressão, por influência dos delegados. Ele citou as fronteiras como exemplo de áreas relegadas a segundo plano e que são essenciais na prevenção de crimes.

Wink, que representa 9 mil agentes, escrivães e papiloscopistas, também falou sobre a reestruturação das carreiras das três categorias. "Nós vivemos há anos sem atribuições definidas, e a direção se omite. Ela engavetou projeto que resolveria a questão e nos empurrou para a greve", reclamou. A paralisação durou 69 dias e foi encerrada há pouco mais de um mês.

Após a greve, disse, os gestores da Polícia Federal estão fazendo uma caça às bruxas, com base em regimento disciplinar de 1964. Segundo Wink, cerca de 100 processos disciplinares foram instaurados. Ele citou o caso de uma líder sindical que está respondendo a dois procedimentos disciplinares e a três sindicâncias. O objetivo seria colocá-la na rua.

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais explicou que as três categorias querem ter suas funções definidas em lei, além de receber salários de nível superior. Segundo eles, essas são as três únicas categorias de nível superior, entre as que integram as carreiras típicas de Estado, que recebem salários de nível médio.

Fonte: Terra
publicidade