5 eventos ao vivo

Pezão: se barragem rompesse, água não chegaria ao centro

14 jan 2011
20h23
atualizado às 20h33

O vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que está instalado no município de Nova Friburgo desde o início da tragédia na região serrana, disse que não passa de boato a informação de que houve rompimento de uma barragem no município, deixando em pânico as pessoas que passavam pelo centro da cidade.

"São duas barragens, uma em Muri e outra em Conselheiro Paulino e, mesmo que elas se rompessem, a água não chegaria ao centro da cidade", garantiu. O vice-governador pediu à população que mantenha a calma e que deixe seus carros em casa. "A gente pede que as pessoas guardem seus carros em casa e evitem ficar circulando pelas ruas. É um momento difícil, mas é preciso manter a calma. A difusão de boatos não interessa a ninguém", afirmou.

Pezão disse que estão chegando ao município homens da Força Nacional de Segurança e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar. Além disso, 200 policiais militares estão auxiliando os bombeiros nas operações de resgate.

Segundo o vice-governador, o resgate de pessoas em áreas isoladas por ser feito por meio de rapel. "É necessário que o tempo melhore para que as forças de resgate possam descer de rapel nas áreas isoladas, para levar água e mantimentos", disse.

Devido à topografia da cidade, as equipes de socorro só podem atuar com pequenos helicópteros nas regiões isoladas. As aeronaves mais potentes não têm mobilidade para se deslocar com rapidez para atender às vítimas da tragédia em Nova Friburgo.

Chuvas na região serrana
As fortes chuvas que atingiram os municípios da região serrana do Rio nos dias 11 e 12 de janeiro provocaram enchentes e inúmeros deslizamentos de terra. As cidades mais atingidas são Teresópolis, Nova Friburgo, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), choveu cerca de 300 mm em 24 horas na região.

Rua do centro de Nova Friburgo é tomada pela lama

Veja onde foram registradas as mortes

Agência Brasil Agência Brasil
publicidade