1 evento ao vivo

'Perdi pessoas que amava sem poder dizer adeus', diz viúva de Jango

Presidente foi deposto há 50 anos pelo golpe militar

26 mar 2014
12h19
atualizado às 12h34
  • separator
  • comentários

O Instituto João Goulart publicou na terça-feira um artigo da viúva do ex-presidente Jango, que foi deposto da Presidência pelo golpe militar há 50 anos. Intitulado Lembranças de 64, o texto fala sobre o período em que ela e o marido ficaram exilados no Uruguai. "Até hoje, 50 anos depois eu me questiono para conseguir entender o porquê daqueles momentos tão assustadores que de repente mudaram o rumo de nossas vidas, de nossa pátria e de nosso povo", escreveu Maria Thereza Goulart. 

Jango e Maria Thereza Goulart, na casa El Ventisco, em Punta del Este, durante o exílio no Uruguai
Jango e Maria Thereza Goulart, na casa El Ventisco, em Punta del Este, durante o exílio no Uruguai
Foto: Instituto João Goulart / Reprodução

Segundo ela, as mudanças sofridas no período foram infinitas. "Perdi pessoas que eu amava sem poder dizer adeus. Perdi amigos, perdi meu lar e perdi minha pátria. Fiquei sem meus sonhos vivendo uma realidade de incertezas e desafetos", disse. 

Maria Thereza contou ter sentido medo. "Pensei que aqueles momentos eram de uma perseguição coletiva que acabaria envolvendo nosso futuro. Esse medo tornou-se um grande inimigo capaz de me confundir entre o ódio e o perdão", colocou. 

Para ela, eram muitas perguntas sem respostas e os desafios, diários. "Esquecer não foi fácil e eu aprendi muito com o sofrimento. Aconteceram novas mudanças, meus filhos cresceram, voltamos para a nossa pátria, para uma nova vida e novos amigos em um tempo de esperança.
Nossas vidas, no entanto ficaram com um grande espaço vazio sem a presença de nosso melhor amigo, pai e companheiro", contou. 

A viúva de Jango encerra o texto dizendo que hoje sente o seu coração comprometido com o passado e, em vários momentos de melancolia, olha para o céu azul, e relembra o tempo no Uruguai. "Sei que minha vida mudou, continuo meu destino, até quando não sei", completou. 

Exumação de Jango
O corpo de Jango - que fugiu para o Uruguai e depois para a Argentina após o golpe - foi exumado no fim do ano passado para verificação da causa da sua morte. Familiares e autoridades brasileiras suspeitam que ele tenha sido envenenado. Na época da morte, em 1976, não foi feita autópsia no corpo do ex-presidente. 

 

 

 

 

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade