PUBLICIDADE

Papa Francisco no Brasil

'Graças a Deus' não existem gays na África, dizem peregrinos da JMJ

23 jul 2013 - 12h55
(atualizado às 13h50)
Compartilhar
Exibir comentários
<p>Peregrinas de S&atilde;o Tom&eacute; e Pr&iacute;ncipe afirmam que seu pa&iacute;s n&atilde;o tem homossexuais &quot;gra&ccedil;as a Deus&quot;</p>
Peregrinas de São Tomé e Príncipe afirmam que seu país não tem homossexuais "graças a Deus"
Foto: Maurício Tonetto / Terra

Se as posições da Igreja Católica sofrem resistência de grupos anti-homofobia no Brasil e em várias partes do mundo, o mesmo parece não acontecer em São Tomé e Príncipe, na África. A condenação da prática homossexual da Igreja está alinhada com parte da população local, conforme relatos de peregrinos nesta terça-feira na centenária paróquia Nossa Senhora de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro.

É o caso de Eva de Carvalho, 48 anos, que dá "graças a Deus" ao dizer que "não existe isso (homossexuais)" em seu país.  Ela é originária do país africano, que conta com uma população predominantemente católica (70,3%, segundo senso realizado em 2001). Eva diz que o tema sequer é abordado por lá.

Itola Lima, 62 anos, também de São Tomé e Príncipe, faz coro com a amiga ao dizer que não existe homossexualidade em seu país e faz uso da Bíblia para condenar a prática. "Deus fez um homem e uma mulher", argumenta.

Papa é recebido com flores por Dilma; veja chegada:

O assunto, no entanto, não deverá ser tema de debate nos dias de Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro. Com intenção de reunir fiéis e alcançar os menos religiosos, a Igreja - a exemplo do Papa, em sua primeira declaração no País - deverá evitar temas mais controversos.

Entre quarta e sexta-feira, diversas paróquias da cidade vão oferecer catequeses sob a temática central do evento ("Ide e fazei discípulos" - um mandamento de Jesus, segundo a crença cristã). As pregações serão feitas em vários idiomas e a abordagem será menos profunda, justamente para contemplar os não-iniciados nos assuntos religiosos e os estrangeiros que não dominam o português.

"O objetivo é anunciar o evangelho. É levar Cristo a todas as nações, como é o tema da Jornada. Fazer com que todos experimentem profundamente a fé em Jesus Cristo", explica o padre Pedro dos Santos, da paróquia Nossa Senhora de Copacabana, que espera receber 2 mil pessoas nos três dias de catequese.

Papa Francisco no Brasil
A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2013 ocorre entre os dias 23 e 28 de julho, no Rio de Janeiro. O evento, realizado a cada dois ou três anos, promove um encontro internacional de jovens católicos com o Papa. A última edição da JMJ ocorreu em 2011, em Madri, na Espanha, e reuniu cerca de 2 milhões de pessoas, de mais de 190 países. O JMJ 2013 marca também a primeira grande visita internacional do papa Francisco desde sua nomeação como líder máximo da Igreja Católica, em 13 de março deste ano.

vc e o papa
Você conheceu os papas João Paulo II ou Bento XVI? Vai participar da Jornada Mundial da Juventude no Rio ou tentar encontrar com o Papa Francisco em Aparecida? Participe do vc repórter e envie seus relatos, fotos ou vídeos com os papas para o Terra.

Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade