inclusão de arquivo javascript

 
 

Incêndio destrói prédio do INSS em Brasília

27 de dezembro de 2005 08h09 atualizado às 11h58

Incêndio atinge prédio do INSS em Brasília. Foto: Reuters

Incêndio atinge prédio do INSS em Brasília
Foto: Reuters

Um incêndio que começou hoje, às 7h, destruiu parte de um prédio da Previdência Social em Brasília, no Setor de Autarquias Sul, a poucos metros da Esplanada dos Ministérios. O fogo no prédio de 10 andares já foi controlado. Não há registro de feridos, ao contrário do que havia informado os bombeiros. Este incêndio está sendo considerado o maior dos últimos 17 anos em Brasília. O pagamento de pensões e benefícios não será afetado, garantiu a direção do INSS. Nenhum documento foi extraviado porque estão no prédio da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev).

  • Veja as fotos do incêndio

    O fogo atingiu 6 dos 10 andares: do 4ª ao 9º andar. Trinta e quatro viaturas do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, de quatro batalhões, foram acionadas e estiveram no local desde as 7h13. Os bombeiros tiveram grande dificuldade para controlar o incêndio. Além do vento que espalhou as chamas, outro problema era fazer com que a água dos hidrantes chegasse aos andares superiores do edifício. O volume e a pressão da água não eram suficientes para apagar as chamas. Um helicóptero também foi ao local para atender a ocorrência.

    O incêndio teria começado no 7º andar do prédio, onde funciona a Procuradoria-Geral, Recursos Humanos, Orçamento, Finanças e Contabilidade do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A preocupação dos bombeiros era evitar que o fogo atingisse os andares inferiores do prédio.

    Peritos avaliam o incêndio
    Peritos da Polícia Federal acompanham o trabalho dos bombeiros. Os policiais federais querem saber se há indícios de que o incêndio tenha sido criminoso.

    O ministro da Previdência, Nélson Machado, reuniu-se com o presidente do INSS, Valdir Moysés Simão, e outros diretores e dirigentes do órgão para avaliar causas e prejuízos provocados pelo incêndio.

    Servidores
    Segundo os bombeiros, havia no prédio apenas funcionarios da manutenção e segurança. O vigia Bruno Noleto, 32 anos, disse que, ao chegar ao local para trabalhar, percebeu que as chamas já haviam tomado conta do sétimo andar do edifício. Segundo ele, o fogo atingiu os cinco últimos andares do prédio.

    Segundo Noleto, há a suspeita de que o fogo tenha começado com um curto-circuito no sistema de ar condicionado do sétimo andar. "O prédio agora se encontra praticamente acabado", disse o vigia, que trabalha há quatro anos no local.

    Os prédios da Controladoria-Geral da União e o Anexo 4 da Justiça Federal, que ficam ao lado do prédio da Previdência, foram isolados. A via L2 ficou interditada até as 11h.

    A operação contou com o apoio da Polícia Militar do Distrito Federal, do Departamento de Trânsito (Detran) e da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). O delegado regional da PF, Valmir Lemos, vai ser o responsável pela investigação das causas do incêndio.

  • Redação Terra