inclusão de arquivo javascript

 
 

Câmera flagrou assassinato de prefeito no RN

28 de junho de 2005 02h36

Trechos da ação policial que matou por engano o prefeito de Grossos (RN), João Dehon Neto da Costa (PPS), e o motorista dele, Márcio Sander, na quinta-feira passada, em Santa Maria (RN), foram gravados por uma câmera de vigilância de um posto de combustíveis. As imagens mostram o momento dos disparos da polícia, a colisão do carro das vítimas, desgovernado, e o socorro dos dois sobreviventes.

No vídeo, que está em poder do delegado Ricardo Sérgio, da Corregedoria, é possível perceber o exato momento da abordagem policial. Dois clarões no escuro mostram os disparos feitos pelos agentes da Delegacia Especializada de Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (Deprov) e, em seguida, dois funcionários do posto correm para se proteger do tiroteio. A abordagem é rápida. Em poucos segundos, a Toyota Hilux do prefeito cruza a BR-304, derruba duas cercas de uma fazenda e bate violentamente contra o muro da gerência do posto.

A primeira viatura a se aproximar das vítimas é um Gol da Polícia Civil de Santa Maria, que não estava na ocorrência, mas passava coincidentemente pelo local. Os policiais estavam em serviço prestando segurança numa festa junina e, ao perceberem os tiros, ligam as sirenes e se aproximam da caminhonete. Um policial desce do carro com a arma em mãos e, em seguida, chega a L-200, prata, com os agentes da Deprov.

A Hilux das vítimas ficou num ponto cego da câmera. As imagens mostram apenas uma cortina de fumaça, mas não dá para destinguir se ela foi provocada por novos tiros ou pelo motor danificado da caminhonete. O tesoureiro Magno Antônio e o contador Francisco Canindé foram socorridos no Gol da polícia de Santa Maria. Somente depois do socorro, a outra viatura da Deprov, uma S-10, prata, chega ao local. Os corpos do prefeito e do motorista - ao contrário do que recomenda os manuais de instruções policiais - são retirados do local do crime e levados ao hospital local.

A fita em poder da corregedoria confirma a perícia inicial feita pelo Itep sobre o local do crime e pode ajudar a esclarecer o posicionamento das viaturas da polícia durante a abordagem. Nesta segunda-feira, peritos do Itep voltaram à cena do crime e confirmaram que os quatros tiros disparados pelos policiais atingiram a fachada da prefeitura de Santa Maria.

Já está confirmado que a Mitsubish L-200 prata e a S-10 prata, ambas cabine dupla, não pertencem aos quadros da Polícia Civil. Os dois veículos na verdade são roubados e foram apreendidos em recentes operações da Deprov. Uma das viaturas envolvidas na operação foi alvejada pelos próprios policiais da Deprov. A S-10 da polícia foi atingida na porta do motorista no que a polícia chama de "fogo amigo", e outro tiro na porta traseira muito provavelmente foi efetuado pelos policiais que estavam na caminhonete S-10.

"O buraco da bala saiu de dentro do carro. O policial estava dentro da caminhonete e atirou antes de levantar a arma pela janela", contou um dos investigadores do caso.

O delegado Elias Nobre não soube precisar se o delegado da Deprov, Júlio Costa, tinha autorização da Justiça para usar as duas caminhonetes apreendidas.

Secretário anuncia as providências
O secretário de Defesa Social, Glauberto Bezerra, reuniu na tarde de segunda-feira diversas autoridades civis, militares e do judiciário para apresentar as providências adotadas pela polícia para apurar as mortes de João Dehon e de Márcio Sander. A medida, segundo o secretário, serve para demostrar que o assunto está sendo tratado com total transparência à sociedade.

Glauberto Bezerra comparou as medidas tomadas na morte do prefeito à operação que desmatelou, em março deste ano, o grupo de extermínio da Polícia Militar. "Estamos unindo todas as forças para chegarmos à verdade dos fatos. A reunião de hoje (segunda-feira) é para prestar contas às instituições sobre os rumos do caso, assim como aconteceu com o grupo de extermínio", disse.

Ele conta com o apoio do Ministério Público, da Corregedoria da Polícia, da Ouvidoria da Polícia, do Instituto Técnico Científico de Polícia, da Polícia Militar e da Polícia Federal. A PF pode ser convocada para a realização de perícias e exames complexos, assim como aconteceu em algumas fases da operação que prendeu o grupo de extermínio.

Na reunião, o delegado Ricardo Sérgio, presidente do inquérito que apura o crime, disse que o procedimento policial pode ser concluído na próxima sexta-feira, caso as perícias e outros exames solicitados sejam concluídos.

"Os agentes interrogados confirmaram que todos eles atiraram. O que precisamos confirmar são as circunstâncias da operação policial e, se preciso for, terei que solicitar uma reconstituição", disse. Os exames solicitados pelo delegado, no entanto, não ficarão prontos até sexta. Segundo explicou o diretor do Itep, Fábio Dantas, os exames são demorados e só estarão concluídos na próxima semana.

A reunião aconteceu no gabinete de gestão Integrada, na avenida Senador Salgado Filho, e contou com a participação de representantes de 21 instituições ligadas à justiça e à segurança.

Multidão vai às ruas dar adeus ao prefeito
Cerca de cinco mil pessoas acompanharam o sepultamento do prefeito João Dehon Neto da Costa, 37. Às 15h, houve missa de corpo presente na Capela do Sagrado Coração de Jesus. Prefeitos, deputados estaduais e federais, vereadores e a população em geral compareceram ao ato religioso. Em seguida, amigos, o presidente da AMUCosta - Manoel Cunha Neto, o Souza - e o presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN), Agnelo Alves, discursaram, além do presidente da Associação dos Geógrafos do Brasil, João Luiz.

O presidente da AMURCosta frisou que Dehon Caenga, como era mais conhecido o prefeito de Grossos, deixou um legado de sonhos e projetos, os quais devem ser realizados pelo novo prefeito do município, Veronilde Caetano da Silva (PMDB), com o apoio dos secretários, assessores, vereadores e da população.

O presidente da Femurn, Agnelo Alves, afirmou que a entidade disponibilizará uma assessoria jurídica para acompanhar o caso. "Esse crime não ficará impune".

Na saída do corpo de Dehon Caenga da capela, uma verdadeira multidão aguardava na Avenida Coronel Solon. O ataúde foi transportado em um carro cedido pela funerária, apropriado para este tipo de acontecimento. Um carro do Corpo de Bombeiros emitia sinais, chamando a atenção ao luto provocado pelo assassinato do prefeito, ocorrido na noite da quinta-feira, por policiais civis do Estado do Rio Grande do Norte.

A avenida Coronel Solon ficou pequena para a quantidade de pessoas que acompanhavam o cortejo. Em cima de muros, nas calçadas ou até mesmo em carros, populares se aglomeravam ao longo do percurso. O corpo chegou ao Cemitério Público Municipal São Sebastião às 17h40. A exemplo do que ocorreu no velório, o sepultamento do prefeito foi marcado pela comoção, dor e emoção de familiares, amigos, auxiliares e a população em geral.

Tesoureiro sofreu lesão na visão
O tesoureiro da Prefeitura de Grossos, Magno Antônio Ferreira, vítima de uma emboscada montada por policiais civis na quinta-feira, continua internado no Hospital Walfredo Gurgel. Ele se recupera bem dos dois tiros que levou na cabeça e costas, mas reclamou à equipe médica que não está enxergando bem com o olho direito. Os médicos acreditam que o tiro que a vítima levou na cabeça pode ter comprometido em 50% a visão do olho.

O neurocirurgião Zeigler Araújo Fernandes explicou à imprensa que o tesoureiro sofreu dois tiros: um na lateral esquerda da cabeça e outro no ombro esquerdo. A vítima perdeu cerca de um litro de sangue com os ferimentos a bala e foi submetida a uma cirurgia na cabeça para a retirada do projétil.

O ferimento provocado pelo tiro esfacelou cerca de três centímetros do osso do crânio. A bala que atingiu o tesoureiro levou para a ferida parte da espuma do banco e, por isso, ainda existe o risco dele ter contraído meningite. Zeigler Fernandes confirmou que Magno Antônio está consciente e sua recuperação é muito boa, apesar dele ter relatado o problema no olho direito.

"Ele só enxerga a metade da visão do olho direito", contou.

O tesoureiro pode, nos próximos dias, ser transferido de hospital. Ainda não há previsão de alta e segundo o neurocirurgião o paciente muito provavelmente deve ser submetido a uma nova cirurgia para reconstituir a parte do crânio afetada pelo tiro.

Familiares da vítima pediram à direção do Hospital Walfredo Gurgel privacidade para o tesoureiro e declararam que ele não deseja conceder entrevista. Médicos que cuidam da vítima contaram que ele comentou que estava dormindo na hora da abordagem policial e, por isso, ele não sabe descrever com precisão as circunstâncias da estabanada operação policial que matou o prefeito João Dehon e o motorista Márcio Sander.

Exames da perícia saem até sexta
O diretor do Instituto Técnico Científico de Polícia (Itep), Fábio Dantas, confirmou que os peritos do órgão devem concluir até a sexta-feira os exames do local do crime e a perícia feita na caminhonete do prefeito João Dehon. Muitas dúvidas ainda pairam sobre o ar e, segundo a própria polícia, os exames do Itep serão de fundamental importância para esclarecer as circunstâncias do crime.

O diretor contou que a necrópsia só deve ficar pronta na próxima semana. Ele adiantou que os médicos legistas encontraram apenas dois projéteis nos corpos de João Dehon e do motorista dele, Márcio Sander, apesar deles terem sofrido diversos tiros. Isso ocorreu porque a maioria dos tiros atravessou os corpos das vítimas. "As munições usadas foram muito potentes porque alguns tiros transfixaram os corpos", contou. Outros tiros que atingiram o prefeito e o motorista foram de balas que se fragmentaram em pequenos pedaços quando passaram pela flanelagem do carro, dificultando sua localização dentro dos corpos.

Os dois projéteis encontrados nos corpos são de pistola calibre .40, de uso exclusivo das forças policiais. As balas serão comparadas com as armas dos seis agentes que participaram da operação para saber quem disparou esses tiros. Os outros projéteis que mataram as vítimas, segundo Fábio Dantas, não podem ser comparados pelo fato deles terem se fragmentado em vários pedaços.

Os médicos legistas do Itep fizeram mais de cinqüenta chapas de raio-x para localizar os pedaços das balas nos corpos, mas o resultado só será divulgado na próxima semana, assim como o laudo de balística. Os corpos também foram submetidos a exame residuográfico de chumbo para se dirimir qualquer dúvida se as vítimas manusearam arma de fogo. O mesmo exame foi feito nas mãos dos seis agentes detidos por participação nos crimes.

O diretor comentou que o fato de as vítimas mortas terem sido removidas do local do crime para um hospital prejudicou a perícia, mas não vai inviabilizar os resultados dos exames. "O local não foi preservado porque as vítimas foram retiradas do carro", falou.

Tribuna do Norte