inclusão de arquivo javascript

 
 

Dilma Rousseff é a nova ministra da Casa Civil

20 de junho de 2005 19h32 atualizado às 22h07

Dilma é mineira, mas fez sua carreira política no RS. Foto: Agência Brasil

Dilma é mineira, mas fez sua carreira política no RS
Foto: Agência Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou no final da tarde desta segunda-feira que a ministra de Minas e Energia desde o início de seu governo, Dilma Rousseff, irá substituir José Dirceu na Casa Civil. Dilma era o nome mais cotado para o cargo desde a renúncia de Dirceu na quinta-feira da semana passada e sua substituição provoca uma mudança de perfil na função, que agora passa a ser estritamente administrativa. A posse da ministra ocorrerá às 16h desta terça-feira. Interinamente, assume o Ministério das Minas e Energia o atual presidente da Empresa de Pesquisa Energética, Maurício Tolmasquim.

  • Ex-mulher faz denúncia contra o PL
  • Tudo sobre a crise no governo
  • Fórum: opine sobre a crise no governo

    Dilma é a primeira mulher a assumir o cargo na história do País. Quando foi nomeada ministra em 2003, ela disse: "Começo a viver o sonho de toda uma geração de militantes de esquerda do Brasil: estar em um governo popular, que levará o país pelo caminho do desenvolvimento sustentável".

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a antecipar para o início da tarde desta segunda sua volta a Brasília depois de ter participado da 28ª Reunião de Cúpula do Mercosul, em Assunção, no Paraguai. Durante o evento, ele discutiu a transferência com Dilma, que o acompanhou na viagem.

    Natural de Minas Gerais, Dilma tem 57 anos. É formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestre e doutora em teoria econômica pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Foi secretária da Fazenda de Porto Alegre de 1986 a 1988, presidente da Fundação de Economia e Estatística do estado do Rio Grande do Sul entre 1991 e 1993 e secretária de estado de Energia, Minas e Comunicações de 1993 a 1994 e de 1999 a 2002.

    Durante a década de 1960, Dilma participou de diversos movimentos de esquerda, como a Política Operária (Polop) e o Comando de Libertação Nacional (Colina). Dilma Rousseff coordenou a equipe de infra-estrutura durante a período de transição entre os governos Fernando Henrique e Lula.

    No sábado, a imprensa divulgou que Dilma teria aceito o convite feito por Lula já na própria quinta-feira. Questionada no dia seguinte, Dilma desconversou, afirmando que não fala "sobre especulações". A informação não foi confirmada, e o governo divulgou que o anúncio somente seria feito nesta segunda-feira.

    Na mesma reunião que sacramentou o nome da ministra, Lula já lhe indicou as primeiras medidas a serem adotadas na pasta: retomar projetos que estavam parados ou tramitando em ritmo lento em conseqüência dos ataques a Dirceu, acusado pelo deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) de comandar um esquema de pagamento de dinheiro a parlamentares em troca de fidelidade ao governo. Dentre as prioridades da futura ministra da Casa Civil está o projeto das Parcerias Público Privadas (PPPs).

  • Redação Terra