inclusão de arquivo javascript

 
 

Comissão aprova indenizações a cinco famílias

27 de outubro de 2004 13h54

A Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos aprovou cinco processos de indenização a familiares de pessoas que morreram por motivação política.

Dos cinco casos, quatro se referem a vítimas do Massacre de Ipatinga (MG), ocorrido em 7 de outubro de 1963, durante uma manifestação de trabalhadores de uma siderúrgica na cidade. O outro caso diz respeito a um operário Orocílio Martins Gonçalves, morto durante manifestação da greve da construção civil em Belo Horizonte em 1979.

Orocílio Gonçalves era trabalhador da construção civil e foi morto aos 24 anos em 30 de julho de 1979. Na época, a morte do trabalhador gerou uma comoção em todo o estado de Minas Gerais e deu uma dimensão nacional à chamada greve dos peões.

O caso de Orocílio, que já havia sido indeferido pela Comissão anteriormente, foi aprovado com base na lei 10.875/04. A legislação inclui como responsabilidade do Estado a morte de pessoas durante passeatas e manifestações reprimidas pela polícia, no período de 2 de setembro de 1961 a 5 de outubro de 1988.

A Comissão Especial foi criada em 1995 e é formada por representantes do governo (ministérios da Defesa e das Relações Exteriores), da Câmara dos Deputados, dos familiares das vítimas e de dois advogados.

Agência Brasil