inclusão de arquivo javascript

 
 

Ex-traficante Escadinha é executado no Rio

23 de setembro de 2004 10h40 atualizado às 10h40

Foto de arquivo mostra Escadinha em 1988. Foto: Jornal do Brasil

Foto de arquivo mostra Escadinha em 1988
Foto: Jornal do Brasil

A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou que um dos homens executados nesta manhã na Avenida Brasil é o ex-traficante José Carlos dos Reis Encina, o Escadinha. O crime aconteceu por volta das 7h30m na pista sentido Centro, altura de Padre Miguel.

De acordo com a Globo News, o Vectra prata de Escadinha foi fechado por dois ocupantes de uma motocicleta, que efetuaram quatro disparos. Dois deles atingiram o rosto do ex-traficante e os outros dois atingiram o peito e o braço de Luciano da Silva Vanderlei, que também estava no carro.

O tráfego foi interrompido no local do crime, onde se formou um grande congestionamento.

Escadinha estava cumprindo regime semi-aberto no Instituto Penal Plácido de Sá Carvalho, em Bangu. Ele dormia na prisão e saía diariamente para trabalhar em uma cooperativa de táxis.

A polícia acredita que ele deixava a unidade prisional e ia em direção ao trabalho quando foi assassinado na manhã desta quinta-feira na Avenida Brasil.

Polícia investiga cooperativa
A polícia investiga a hipótese de vingança na morte o ex-traficante. Segundo a polícia, Escadinha disputava o controle da cooperativa de táxi onde trabalhava e era vice-presidente. Ele também teria tido desavenças com o atual presidente.

Segundo o telejornal RJ TV, a polícia também trabalha com a hipótese de Escadinha ter sido assassinado por integrantes da quadrilha que ele ajudou a fundar na década de 80. Os policiais suspeitam que ele mantinha ligações com o tráfico. Nos último meses, 17 rádios de transmissão da cooperativa de táxi da qual o ex-traficante era sócio foram apreendidos em favelas e presídios.

Fuga cinematográfica
Escadinha foi um dos traficantes mais famosos do Brasil. Ele ganhou notoriedade porque traficava drogas, alimentava crianças pobres do Morro do Livramento e punia quem roubava os trabalhadores.

Preso em 1985 e condenado a 50 anos de prisão, Escadinha protagonizou, no mesmo ano, uma fuga cinematográfica ao escapar de helicóptero do presídio de Ilha Grande, no Rio.

Redação Terra