inclusão de arquivo javascript

 
 

Túmulo de Eloá recebe flores e mensagens na véspera de Finados

01 de novembro de 2008 15h23 atualizado às 17h20

As cartas reúnem depoimentos de amigos inconformados com a morte da estudante. Foto: Hermano Freitas/Terra

As cartas reúnem depoimentos de amigos inconformados com a morte da estudante
Foto: Hermano Freitas/Terra

O túmulo de Eloá Cristina Pimentel da Silva, sepultada no cemitério Jardim Santo André, na cidade de mesmo nome, recebeu dezenas de arranjos de flores, mensagens e uma grande faixa neste sábado.

» Veja a cronologia do seqüestro
» Veja como foi a invasão segundo a PM
» Veja os vídeos sobre o seqüestro
» CORREÇÃO: Túmulo de Eloá recebe flores
» Opine sobre o desfecho do seqüestro

Na véspera do Dia de Finados, o jazigo recebeu a visita de dezenas de pessoas, que aproveitaram e passaram pelo local onde está o corpo da adolescente, morta pelo ex-namorado Lindemberg Alves em outubro.

Na faixa lê-se: "Eloá mártir pela falta de respeito e amor ao próximo que tudo isto não seja em vão...". Algumas plastificadas, as cartas reúnem depoimentos de amigos inconformados com a morte da estudante e com o comportamento de Lindemberg.

Segundo o coveiro Adelson Batista, a faixa foi colocada na tarde de ontem, por volta das 15h30, por integrantes da torcida do Santo André.

Lindemberg responde preso em Trebembé por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima) de Eloá; tentativa de homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima) em relação ao disparo contra Nayara; e tentativa de homicídio qualificado (para assegurar a execução de crimes) contra o sargento da Polícia Militar Atos Antonio Valeriano.

Seqüestro
Lindemberg fez a ex-namorada Eloá Cristina Pimentel da Silva, 15 anos, refém no apartamento da família dela por mais de 100 horas. Ele invadiu o imóvel na tarde do dia 13 de outubro, uma segunda-feira. A adolescente estava no local com a amiga Nayara Rodrigues da Silva, 15 anos, e dois colegas de escola. Os meninos foram liberados naquela noite, e Nayara, no dia seguinte, após 33 horas. Ela retornou ao cativeiro na quinta-feira, onde permaneceu até o desfecho do seqüestro. A ação terminou com as duas meninas baleadas. Eloá não resistiu e teve morte cerebral confirmada pelos médicos no sábado.

Redação Terra