inclusão de arquivo javascript

 
 

TV: pai de Nayara diz que acordo era falar ao telefone

19 de outubro de 2008 19h48 atualizado em 20 de outubro de 2008 às 14h32

O pai de Nayara, que foi ferida depois de voltar a ser mantida refém junto à amiga Eloá em um apartamento de um conjunto habitacional de Santo André, na região do Grande ABC Paulista, afirmou em entrevista ao vivo no programa Faustão que o acordo com a polícia era que a filha conversaria apenas ao telefone com o seqüestrador. "Não foi informado nenhuma vez que ela voltaria ao apartamento", disse Luciano Vieira da Silva.

» Veja fotos do cativeiro
» Veja: seqüestrador pede invasão
» Confirmada morte cerebral de Eloá
» Opine sobre o desfecho da seqüestro

Nayara Vieira da Silva, 15 anos, ficou ferida com um tiro na boca após ser mantida refém por mais de 40 horas por Lindemberg Alves, 22 anos. A adolescente foi operada no Centro Hospitalar Municipal de Santo André e não terá seqüelas, segundo os médicos. Ela foi liberada pelo seqüestrador na noite de terça-feira e voltou ao apartamento na manhã de sexta-feira. A Polícia Militar afirma que a menina deveria ter ido apenas até o primeiro lance de escadas, mas acabou entrando no apartamento por sua própria vontade.

Ainda de acordo com o pai, a família segue a orientação médica de não comentar sobre o ocorrido durante a recuperação da adolescente. "A gente não conversou com ela a respeito disso, a gente esta poupando ela porque ainda está meio abalada, sob efeito de anestesia", disse.

Silva contou no programa que os momentos de maior tensão foram a chegada e a saída da menina do cativeiro. "A gente ficou muito nervoso duas vezes, uma quando ela conseguiu sair e depois voltar lá novamente e sair nessa situação", disse.

Seqüestro
Lindemberg Alves, 22 anos, invadiu o apartamento da família da ex-namorada Eloá, na tarde de segunda-feira. Ela estava acompanhada da amiga Nayara e de dois colegas de escola. Eles fariam um trabalho para aula quando todos foram rendidos.

Lindemberg libertou os dois adolescentes na segunda-feira e Nayara na terça-feira, após mantê-la no apartamento por 33 horas. O seqüestro foi motivado pela recusa de Eloá em reatar o namoro. Na quinta-feira, Nayara voltou ao apartamento onde estavam Lindemberg e Eloá e saiu ferida com um tiro na boca no desfecho.

Médicos decretaram a morte cerebral de Eloá às 23h30 deste sábado. Os órgãos foram liberados para doação pela família. Lindemberg responderá por homicídio e dupla tentativa de homicídio, segundo a polícia.

Redação Terra