inclusão de arquivo javascript

 
 

Jobim: é equívoco discutir demarcação de terra indígena

23 de abril de 2008 23h30 atualizado às 23h43

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse considerar equivocada, neste momento, a discussão sobre a demarcação contínua ou isolada de reservas indígenas. "Há um equívoco muito grande. Essa discussão (sobre) contínua ou isolada não tem sentido", afirmou o ministro, durante entrevista coletiva em que anunciou o reajuste dos militares das Forças Armadas.

» vc repórter: mande fotos e notícias

Em 1996, à frente do Ministério da Justiça, Jobim determinou que a Fundação Nacional do Índio (Funai) respeitasse os títulos de propriedade e levasse em consideração as estradas e os municípios existentes para demarcar a Terra Indígena Raposa Serra do Sol, no nordeste de Roraima.

Mencionando o interesse público em preservar núcleos populacionais não-indígenas, Jobim excluiu da área demarcada pela Funai antigas bases de apoio à garimpagem, denominadas vilas, as estradas e fazendas tituladas pelo Incra a partir de 1981, totalizando uma área de 300 mil hectares.

"Quando determinei isso, não havia nada dessa discussão sobre (demarcação) contínua ou isolada", declarou o ministro. "Quando mandei esse despacho, eu determinei que se refizesse todo o sistema de demarcação. Depois, esse passo foi anulado e as coisas morreram", afirmou Jobim.

Para o ministro, o "equívoco" é resultado do "desconhecimento do sistema jurídico nacional" e é alimentado pela imprensa brasileira. "Grande parte da mídia raciocina como se as terras indígenas brasileiras fossem iguais às norte-americanas", afirmou Jobim. "Lá (os povos indígenas) são nações e as terras indígenas pertencem a essas nações. No Brasil, terra indígena é propriedade da União, para usufruto vitalício dos índios. Eles não têm propriedade sobre essas terras, que estão sujeitas a todas as regras constitucionais. Temos de raciocinar a partir do nosso sistema."

Perguntado sobre a reação do ministério às críticas do comandante militar da Amazônia, general Augusto Heleno, com quem se reuniu na última sexta-feira, Jobim se restringiu a comentar que, no ministério, o assunto está encerrado.

Na semana passada, o general afirmou que a demarcação contínua de terras indígenas em região de fronteiras é uma ameaça à soberania nacional. A declaração irritou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que determinou que Jobim cobrasse explicações de Augusto Heleno.

Agência Brasil