inclusão de arquivo javascript

 
 

SP: treinador é morto a tiros em frente aos alunos

02 de abril de 2008 12h26 atualizado às 12h39

O treinador de futebol Marcos Dias dos Santos, 44 anos, foi morto com 14 tiros quando terminava as aulas para cerca de 30 garotos de 9 a 14 anos no Estádio Municipal de Monte Aprazível, a 475 km de São Paulo. O homicídio ocorreu por volta das 18h50 de terça-feira, quando três homens se apresentaram como policiais e um deles disparou os tiros no treinador, que morreu no local.

» Professor é morto a facadas no RS
» Casal confessa assassinato de professor
» Professor é agredido em escola no DF

Cerca de 20 crianças teriam presenciado o crime, entre elas, o filho do treinador, um menino de 11 anos. "Foi horrível, um ato de covardia, sem qualquer explicação", disse Durval Andreazzi, um ex-jogador de futebol que trabalhava como auxiliar de Santos e cuidava de cinco meninos que levava de Tanabi, uma cidade próxima, para treinar em Monte Aprazível.

Andreazzi disse que os homens ainda murcharam os pneus do carro do treinador para evitar que ele saísse do estádio e o teriam obrigado a entrar em outro carro, mas como Marcos se recusou, acabou sendo morto ao lado da arquibancada, com cinco tiros no rosto e quatro nos órgãos genitais. Os bandidos fugiram num Gol de cor prata.

Marcos dava aulas havia um ano e meio em Monte Aprazível e já tinha conseguido colocar jogadores mirins nas equipes de times grandes de São Paulo. "Ele era um bom treinador, a gente aprendia e tinha esperança de jogar num desses times famosos", disse Eduardo, 12 anos, um dos ex-alunos do treinador.

A Polícia Civil não tem pistas do crime, mas um dos carros usados pelos supostos assassinos foi recuperado hoje. O carro tinha sido roubado em São Paulo. De acordo com informações da Polícia Civil, o crime pode ter sido causado por um acerto de contas, isso porque Marcos foi policial por sete anos, antes de se mudar para o interior, e tinha passagens pela polícia por estelionato e roubo. Os assassinos seriam de São Paulo e teriam ido a Monte Aprazível especialmente para matar o treinador de futebol.

Redação Terra