inclusão de arquivo javascript

 
 

Rocinha: velório de menina é marcado por protestos

16 de fevereiro de 2008 15h01 atualizado às 19h05

Flávia, mãe de Ágata Marques dos Santos, 11 anos, chora durante o velório da filha na Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro . Foto: Isabela Kassow/O Dia

Flávia, mãe de Ágata Marques dos Santos, 11 anos, chora durante o velório da filha na Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro
Foto: Isabela Kassow/O Dia

Cerca de 250 pessoas comparecem na tarde deste sábado ao velório da menina Ágata Marques dos Santos, 11 anos, na Vila Verde, favela da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro. Moradores e parentes da criança realizam um protesto no local com faixas e cartazes pedindo justiça.

» Moradores protestam morte de menina
» Pai de menina: tiro veio da polícia
» Bala perdida mata menina na Rocinha
» Bope encontra arsenal na Rocinha

Ágata morreu na tarde de sexta-feira após ser atingida por uma bala perdida durante confronto entre policiais civis e supostos traficantes na favela. O pai da jovem, Claudino Silva dos Santos, acusou os agentes de atirarem na direção da sua residência.

Cerca de 200 policiais da Polinter, das delegacias de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) e de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), em apoio à Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), realizaram uma incursão na Rocinha com o objetivo de prender o suposto traficante Antônio Francisco Bonfim, o Nem, que seria chefe do tráfico na região.

O enterro de Ágata Marques dos santos está marcado para as 17h no cemitério São João Baptista, no bairro de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro.

Redação Terra