inclusão de arquivo javascript

 
 

Champinha idealizou crime e abusou de Liana

14 de novembro de 2003 11h57 atualizado às 14h36

A polícia apresentou hoje os responsáveis por matar casal em São Paulo. Foto: Rogério Lorenzoni/Terra

A polícia apresentou hoje os responsáveis por matar casal em São Paulo
Foto: Rogério Lorenzoni/Terra

A polícia apresentou hoje os responsáveis por matar os jovens Liana Friedenbach, de 16 anos, e Felipe Caffé, 19, em São Paulo. A polícia indicou que o menor conhecido como Champinha e Paulo César Silva Marques, o Pernambuco, mataram, respectivamente, Liana e Felipe. Além de matar Liana a facadas, Champinha também abusou sexualmente da jovem. Felipe foi executado por Pernambuco com um tiro na nuca.

O menor Champinha, de 16 anos, é apontado como idealizador de todo o crime. Além de estuprar e executar Liana, o menor comandou a quadrilha, formada por outros criminosos entre 32 e 50 anos. Por ser menor de idade, ele foi o único criminoso que não esteve presente na apresentação à imprensa hoje.

Champinha teria conhecido Pernambuco, 32 anos, quinze dias antes do crime. Os dois trabalhavam na região de Embu-Guaçu e foram caçar juntos próximo ao sítio do Leme, onde o casal estava acampando. Nessa ocasião, os dois cruzaram com os dois e tiveram a idéia de cometer o crime.

Mais três envolvidos
Em seguida, eles conversaram com Antonio Matias de Barros, 48 anos, conhecido de Champinha, e planejaram o seqüestro. Antônio é acusado de esconder a arma usada no crime contra Felipe, uma espingarda de caça calibre 28, e não esboçar nenhuma atitude contra os autores dos crimes.

Além dos três, Antônio Caetano Silva, 50, o caseiro do sítio, é acusado de franquear a estada dos acusados em sua casa, fornecendo alimentação. Outro envolvido, Aguinaldo Pires, 41, seria cúmplice do crime e também teria abusado de Liana. O delegado Silvio Balangio, que apresentou os criminosos, descarta a participação de outros menores no crime.

Segundo Balangio, é difícil determinar com precisão as datas do crime. O casal estava desaparecido desde o dia 31 de outubro. Eles mentiram aos pais que estariam com outros amigos, mas foram acampar sozinho na região de Embu-Guaçu. Acredita-se que Felipe foi morto no dia 2 (domingo). Liana foi morta alguns dias depois. Os corpos só foram encontrados nesta segunda-feira, dia 14.

O delegado disse que a primeira abordagem de Champinha e Pernambuco ao casal foi muito violenta. Ele rasgou a barraca onde os dois estavam acampados com um golpe de faca. Nessa ocasião, Liana, tentando negociar com os bandidos, disse a eles que seu pai tinha bastante dinheiro.

Então, o menor teve a idéia de seqüestrar a jovem e de matar Felipe. Alguns dias após a morte de Felipe, Champinha viu que não seria possível levar o seqüestro adiante e mataram a jovem a facadas. "Para conversar com esse sujeito (Champinha), é preciso ter um estômago de aço", disse o delegado Balangio. O menor disse ao delegado que matou Liana porque "deu vontade".

Redação Terra