inclusão de arquivo javascript

 
 

Entrevista de Beira-Mar na TV gera demissões

13 de novembro de 2003 08h32 atualizado às 08h34

Uma entrevista do traficante carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, veiculada pelo programa Fantástico, no último domingo, motivou a demissão dos promotores Roberto Porto e Márcio Sérgio Christino do Grupo de Atuação Especial de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Eles, que voltam a atuar nas varas criminais de origem, pediram o afastamento depois de levarem um puxão de orelhas do procurador-geral de Justiça, Luiz Antônio Guimarães Marrey. A saída deles do grupo especial foi publicada ontem no Diário Oficial do Estado de São Paulo.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria da Administração Penitenciária informou em São Paulo que a filmagem com a conversa de Beira-Mar foi feita pelo Ministério Público. A gravação da conversa com o traficante foi feita por Porto e Christino no dia 30 de setembro, data da prisão do advogado Mário Sérgio Mungioli.

A exibição da gravação na Rede Globo teria enfurecido o secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, que acabou por procurar Marrey para comunicar sua insatisfação com a atitude dos promotores.

Ontem, Marrey confirmou que foi procurado por Nagashi, que lhe comunicou que nenhuma equipe de televisão havia estado no presídio. Para ele, a exibição da fita fere não só o Regime Disciplinar Diferenciado como a Lei de Execução Penal.

O Povo