inclusão de arquivo javascript

 
 

Aliados de Dirceu rechaçam "refundação" do PT

04 de fevereiro de 2007 07h04 atualizado às 08h09

Integrantes do PT que pertencem à tendência Campo Majoritário se reuniram em um hotel em São Roque, a 58 km da capital paulista, e rechaçaram a tese de refundação do partido, lançada nesta semana pelo ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro. Entre os presentes, o deputado cassado José Dirceu.

» Dirceu critica BC em encontro do PT

Às vésperas de comemorar 27 anos de fundação no próximo dia 10, o Campo Majoritário - que vai mudar o nome para Construindo um Novo Brasil - discutiu também a refundação do partido. Tarso Genro, um dissidente do grupo, divulgou o manifesto "Mensagem ao Partido", no qual pede uma reforma para coibir desvios de ética.

Com o vazamento do texto, petistas ligados ao Campo Majoritário partiram para o contra-ataque. Segundo o vereador José Américo Dias, "essas palavras do Tarso trazem de volta o discurso defensivo e derrotista ao partido".

O secretário do PT paulista, João Antônio afirmou que, em consenso, o Campo Majoritário descarta a refundação: "Nós não estamos defendendo essa tese da refundação. Aliás, isso é uma coisa que unifica o Campo Majoritário é exatamente questionar essa tese do ministro Tarso Genro". "É uma tese boba, besta, sem cabimento e prejudicial ao PT", complementou.

Além de Dirceu, participam do encontro em São Roque o presidente do PT, Ricardo Berzoini, os deputados enfraquecidos pelo mensalão - mas que voltaram ao Congreso - João Paulo Cunha e José Genoino, e o ministro da secretaria-geral da presidência, Luiz Dulci.

A reunião foi organizada em um luxuoso hotel - que teve todos os 86 apartamentos alugados - onde as diárias mais simples custam R$ 440, mas não foi divulgado quem pagará a conta.

Os convidados desfrutaram de uma área verde com 40 mil metros quadrados, ornada por um pinheiral, piscina climatizada, vila hípica, salão de jogos, espaço para churrasco e salão de beleza. A reunião exclusiva custou para os organizadores petistas R$ 137 mil por três dias de acomodação. No meio da tarde, o debate foi interrompido para uma feijoada.

Redação Terra