inclusão de arquivo javascript

 
 

Tarifaço de Yeda não estava no plano de governo

27 de dezembro de 2006 06h35 atualizado às 10h30

A governadora eleita Yeda Crusius (PSDB-RS) afirmou ontem, na abertura da coletiva em que anunciaria sua política para zerar o déficit do Estado, que as medidas que serão adotadas constavam no seu plano de governo. De acordo com o jornal Zero Hora, entretanto, o documento não faz referência à possibilidade de aumento de impostos mas, pelo contrário, reitera que a elevação de alíquota não faz mais parte dos planos.

» RS: para aumentar impostos, Yeda precisa agir até sexta
» Yeda anuncia pacote para zerar déficit no RS
» Yeda nega 'tarifaço' e pede trégua

O pacote anunciado pela governadora para tentar acabar com a dívida do Estado prevê principalmente o corte de despesas, de onde Yeda pretende obter R$ 650 milhões, a criação de fundos financeiros e o aumento de impostos.

Este último deve render cerca de R$ 800 milhões aos cofres públicos, obtidos através da elevação de alíquotas do ICMS, entre os quais a manutenção do tarifaço aprovado em 2004 e o aumento do imposto sobre produtos supérfluos, como o cigarro, que sobe de 25% para 28%.

Confira o trecho do plano de governo de Yeda Crusius:
"Quanto às receitas, apesar de a participação do ICMS no PIB do Estado estar entre as mais baixas (...), não é mais aceito o seu incremento com mais aumento de alíquotas. Por isso devem ser perseguidas ações modernizantes da maquina arrecadadora para que seja possível o incremento de ICMS sem novos aumentos de alíquota."

Redação Terra