inclusão de arquivo javascript

 
 

Brasil: a cada 12 segundos, uma mulher é estuprada

24 de novembro de 2006 02h24 atualizado às 03h10

A cada 12 segundos uma mulher é violentada no Brasil. A partir desde dado alarmante, Ana Maria Rattes, presidente do Conselho Estadual de Direitos da Mulher (Cedim), iniciou o debate "Violência, abuso e exploração sexual contra a mulher", promovido nesta quinta-feira pelo Instituto Ary Carvalho, na capital do Rio de Janeiro.

» Leia mais reportagens do jornal O Dia

"Não concordo com o ditado 'em briga de marido e mulher não se mete a colher'. Temos de meter sim!", alertou Ana Maria. "Setenta por cento dos incidentes ocorrem dentro de casa. Mas as mulheres têm medo de ir à polícia e as queixas nas delegacias não são proporcionais (à violência cometida)", afirmou a senadora Patrícia Saboya (PPS/CE). Também participaram da discussão, mediada por Marcos Ribeiro, coordenador do Centro de Orientação e Educação Sexual (Cores), a escritora Rose Marie Muraro, e o coordenador da rádio comunitária Rede Jovem Brasil, Fábio ACM, que usa a música em trabalhos educativos sobre o tema.

Nova legislação é mais dura
Existem diversos locais especializados onde as mulheres podem procurar ajuda. Além das sete delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deam) no estado, o Centro Estadual dos Direitos da Mulher (Cedim) e o Centro Integrado de Atendimento a Mulher (Ciam) oferecem apoio às vítimas. Os dois últimos oferecem orientação jurídica e psicológica e abrigo temporário às que sofrem violência.

As punições para agressores endureceram com a Lei nº 11.340, batizada de Maria da Penha, e sancionada em agosto. Agora, a pena de detenção para crimes de violência doméstica triplicou: era de, no máximo, um ano e agora pode chegar a três. A Justiça tem 48 horas, a partir da queixa, para afastar o agressor da vítima.

O Dia
O Dia - © Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.