Brasil

publicidade
01 de novembro de 2012 • 18h41 • atualizado às 19h09

Ministério da Pesca entrega escavadeira hidráulica para Maricá

 

Da Agência BrasilRio de Janeiro - O ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, entregou hoje (1) uma escavadeira hidráulica para o município de Maricá, na região metropolitana da capital fluminense. A iniciativa tem como objetivo de apoiar o desenvolvimento da aquicultura familiar local. O equipamento será utilizado para a abertura de tanques voltados para a criação de peixes.O secretário de Agricultura e Pesca de Maricá, Haroldo Teles Júnior, disse que a máquina é capaz de abrir um tanque para piscicultura do tamanho de um campo de futebol em poucas horas. Segundo ele, a escavadeira já está disponível para todos os pescadores do município. ''Agora vamos fazer projetos para utilizá-la. Faremos reuniões com os pescadores para ver a necessidade de cada um deles. Para usar a máquina, ele precisa ter um espaço adequado e um projeto. Antes da chegada do equipamento, nós tínhamos apenas uma retroescavadeira, que tem um número limitado para a escavação'', explicou o secretário.Segundo o presidente da colônia de pescadores Z-7, que responde pelos direitos dos pescadores dos municípios de Niterói e Maricá, Aurivaldo José de Almeida, conhecido como ''Barbudo'', os pescadores da região geralmente não possuem recursos para fazer a pesca artesanal. ''Além da pescaria, eles têm um outro emprego sem carteira assinada, para agregar no que recebem com a pescaria'', disse Barbudo. De acordo com o presidente, o município ainda não tem tanques direcionados para a pesca. Segundo ele, existem atualmente 853 pescadores cadastrados e legalizados na área da colônia, mas o número total de trabalhadores é próximo a 2 mil pessoas. ''Acho que esse projeto será de bom grado para os pescadores, porque cria a independência de cada um, então eles serão os donos dos seus negócios, o que é bem diferente de ser empregado. Todos estamos contentes com isso'', disse.Barbudo disse que a escassez de pescado na costa fluminense é muito grande. Segundo ele, cada trabalhador pega uma média de 12 quilos a 15 quilos de pescado por dia, quantidade considerada muito baixa. ''A atividade está complicadíssima, primeiro pela degradação do meio ambiente''. Outro motivo seria o lixo dragado da Baía de Guanabara e depositado em Itaipu (região de Niterói), que, segundo o presidente, teria se espalhado ''por todo o litoral, danificando a rede dos pescadores''.Na última quinta-feira (25), a presidenta Dilma Rousseff anunciou o Plano Safra da Pesca e Aquicultura, que tem como objetivo fortalecer as atividades ligadas à pesca e à aquicultura, tornado-as ''centrais'' no país, tanto no fator econômico quanto no social. A meta da iniciativa é ampliar a produção de pescado para 2 milhões de toneladas ao ano até 2014.Edição: Fábio Massalli

Agência Brasil